Banner Águas de Pará de Minas   Prefeitura de Pará de Minas

Secretária diz que Rio terá museu da escravidão fora dos moldes tradicionais

A secretária municipal de Cultura do Rio de Janeiro, Nilcemar Nogueira, disse na terça (30) que a proposta do Museu da Escravidão e da Liberdade (MEL), previsto para ser lançado no próximo 13 de maio, permitirá visitar o passado para interpretar o presente. Nilcemar acrescentou que o projeto do MEL está em pleno desenvolvimento e não será direcionado para um museu nos moldes tradicionais.

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

“Ele nasce de uma escuta com a população negra principalmente e traz, no seu DNA e na sua missão institucional, uma responsabilidade social que passa pelo novo papel dos museus. É fundamental para que a cidade conheça uma história que ficou nas entrelinhas da historiografia oficial”, acrescentou.

Segundo ela, o Brasil ainda pensa e questiona pouco a sua desigualdade social. “As favelas são em certa medida as senzalas de ontem, onde estão majoritariamente as pessoas negras desprovidas de direitos sociais”, avaliou. As declarações foram concedidas durante a divulgação da programação de carnaval do Terreirão do Samba.

A lei que define diretrizes para construção do espaço foi sancionada na semana passada pelo governador Luiz Fernando Pezão. O MEL será um centro de referência em estudos sobre a história e a contribuição da população negra para o desenvolvimento do estado. De acordo com Nilcemar Nogueira, o custo da sua implantação vai girar em torno de R$ 20 milhões e o município terá inclusive o apoio de parceiros internacionais.

A secretária informou ainda que, em agosto, será inaugurada a sinalização no Cais do Valongo, que já é parte do projeto. Principal porto de entrada de escravos nas Américas ao longo de três séculos, o Cais do Valongo recebeu o título de Patrimônio Cultural da Humanidade em julho de 2017.

O acervo do MEL deve ser inicialmente composto por peças de religiões de matriz africana, apreendidas de coleções dos anos 20 e tombadas ao Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), que estão atualmente sob a guarda da Polícia Civil e inacessíveis ao público. Arquivos históricos e coleções, fotografias, documentos, pinturas e utensílios que possam reconstituir a história e os costumes dos descendentes de africanos também devem ser expostos.

Em março do ano passado, a Secretaria Municipal de Cultura recebeu a primeira doação de objeto para o MEL: um cadeado da época colonial utilizado na senzala de uma fazenda de café no município de Vassouras (RJ). A peça foi entregue pelo restaurador Marconi Andrade, integrante do Conselho Municipal de Cultura. Com Agência Brasil

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm