Banner Águas de Pará de Minas   Prefeitura de Pará de Minas

Livro conta histórias das mulheres na cafeicultura

Sofia Yang Martinez/Embrapa/Divulgação

Elas estão conquistando cada vez mais respeito e visibilidade no cenário produtivo nacional e internacional, representando o segundo maior produto de exportação mundial, marca registrada de vários países: o café. Historicamente envolvidas na cadeia produtiva da cafeicultura, milhares de mulheres – até então anônimas –  estão ganhando espaço e revelando sua presença em todos os contextos relacionados à atividade. No Brasil, fazem parte de uma parcela de mais de 500 milhões de pessoas em todo o planeta que, segundo o Banco Mundial, dependem do café para sobreviver.

Prova dessa evolução e da necessidade da valorização do papel feminino foi o lançamento do e-book Women in coffee in Brazil, na segunda-feira (17), durante a reunião da Organização Internacional do Café (OIC) em Londres, no Reino Unido. A publicação é resultado de um trabalho pioneiro desenvolvido pela Embrapa e a Aliança Internacional das Mulheres do Café (IWCA Brasil), com apoio do Programa Coopergênero do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Itaipu Binacional, Solidaridad Network, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Secretaria Nacional de Políticas para as Mulheres e Consórcio Pesquisa Café, envolvendo 21 instituições.

Mais de 40 autores colaboraram com a produção de cerca de 300 páginas e 17 capítulos, que descrevem a realidade nos cinco principais estados cafeeiros do Brasil (Minas Gerais, Espírito Santo, Paraná, Bahia e Rondônia), destacando as mulheres que trabalham em pequenas propriedades. A publicação faz um alerta: para atender as necessidades e demandas dessas trabalhadoras, será preciso definir estratégias para derrubar barreiras, principalmente quanto ao desenvolvimento de normas sociais que não prejudiquem a participação econômica das mulheres.

O livro reúne histórias de mulheres de regiões produtoras de café que dedicam seu esforço no campo, no cultivo, até o preparo do café, para consumo nos mais diversos ambientes. A memória oral das trabalhadoras, que relembram parte de suas vidas vinculadas à cultura – em sua maioria localizada em pequenas propriedades -, está em um dos capítulos da publicação e reflete a importância econômica, social e ambiental desse segmento.

No final do e-book foi inserido um questionário aberto aos leitores, cujas respostas serão recebidas por um sistema informatizado, com o objetivo de coletar sugestões e críticas para a segunda versão, já em fase de elaboração.

Compartilhamento de experiências
Traduzida para o inglês com o apoio da ONU Mulheres, a publicação foi  apresentada no encontro da Specialty Coffee Association of America (SCAA), em Seattle nos EUA, e em Augsburg, na Alemanha, durante o evento “Mulheres pela Paz- Frauen für Frieden”, na Semana Latino-Americana (maio de 2018),  como uma das contribuições da Embrapa para o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 5 – Equidade de Gênero, que também é foco temático da OIC neste ano.

As editoras técnicas foram a pesquisadora Cristina Arzabe (Embrapa), Josiane Cotrim Macieira (IWCA-Brasil), Raquel Santos Soares Menezes (Universidade Federal de Viçosa), Danielle Pereira Baliza (Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais) e Tânia Fontenele Mourão (Instituto de Pesquisa Aplicada da Mulher – Ipam).

“Foi um trabalho de pesquisa colaborativo, que evidencia a contribuição das brasileiras para que nosso País mantenha a liderança mundial”, disse a presidente da Aliança Internacional das Mulheres do Café, Josiane Cotrim. “Foi uma honra para mim participar deste momento que começou a ser construído em 2012, e que de lá pra cá resultou na construção de uma rede de contatos unida no mesmo objetivo, que foi construir esse e-book”, explicou. Além de Josiane, a pesquisadora da Embrapa Café Helena Alves também participou do evento.

Relação com os ODS
O pioneirismo do trabalho reforça a necessidade de ações para o alcance das metas dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) – hoje compromisso de toda comunidade internacional –, principalmente os que têm como foco a garantia dos direitos humanos e a igualdade de gênero. “São estratégias que podem efetivamente contribuir com a erradicação da pobreza e da fome (ODS 1 e 2), com a garantia de melhores condições de saúde e educação (ODS 3 e 4)”, destaca a pesquisadora da Embrapa Cristina Arzabe.

Segundo ela, a iniciativa também tem participação efetiva no cumprimento da meta 5b do ODS 5, relacionada ao fortalecimento feminino a partir do uso das novas tecnologias de informação e comunicação (TICs). Um dos pontos importantes foi a criação da Rede Mulheres do Café, plataforma que permitiu a troca de material (fotos, artigos, entre outros), com a participação de cerca de 100 pessoas, entre autores e colaboradores.

Cristina lembra que as mulheres e meninas que vivem e trabalham no campo têm um perfil diverso em termos de identidade, estilo de vida, organização social, engajamento e outras atividades produtivas e de emprego, sendo um público com demandas próprias e específicas. “Representam mais de um terço da população mundial e 43% da força de trabalho agrícola do mundo”, comenta.

Só na região da América Latina e do Caribe, são 58 milhões de mulheres rurais e, no Brasil, aproximadamente 15 milhões. Mas, apesar de contribuírem tanto com o desenvolvimento e a segurança alimentar, o relatório regional Nações Unidas Mulheres 2017, “Progresso das mulheres na América Latina e Caribe”, aponta que elas enfrentam restrições, discriminação social e preconceito de gênero.

Mulheres no campo
Segundo dados preliminares do Censo Agropecuário 2017 (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, IBGE), 18,6% das propriedades rurais do País estão sob a responsabilidade de mulheres. Cerca de metade delas trabalha em propriedades de 1 a 10 hectares, e 25% de 11 a 50 hectares.

Do total de 1 bilhão de pobres do mundo, estima-se que 70% sejam mulheres. Elas são proprietárias de menos de 1% das propriedades rurais do planeta. O Banco Mundial estima que mais de 500 milhões de pessoas dependam da atividade cafeeira para sobreviver. Dessas, 25 milhões são agricultores e boa parte vive em condições precárias. As mulheres enfrentam ainda outros desafios. Além da luta diária pela manutenção de um padrão respeitável de vida, sofrem com o problema da inequidade de gênero que prevalece em diversas regiões do planeta. (Fonte: IWCA Internacional)

Sobre a IWCA
A IWCA Brasil é uma filial da IWCA internacional (International Women’s Coffee Alliance, em inglês), organização sem fins lucrativos criada em 2003 a partir do encontro de mulheres da indústria do café dos Estados Unidos e Canadá com produtoras de café na Nicarágua. Está presente em 16 países produtores, com a missão de fortalecer as mulheres que atuam em todos os elos da cadeia. Os países onde a IWCA está presente são: Brasil, Burundi, Colômbia, Costa Rica, El Salvador, Guatemala, Honduras, Índia, Quênia, Nicarágua, Filipinas, República Democrática do Congo, República Dominicana, Ruanda, Tanzânia e Uganda.

Para acessar o e-book:
Em inglês
Em português
Assista ao vídeo

Com informações da Embrapa

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm