Banner Águas de Pará de Minas   Prefeitura de Pará de Minas

Estado de Roraima cobra posição do governo sobre corte de energia venezuelana

Câmara Municipal de Pacaraima/Divulgação

A governadora de Roraima, Suely Campos, protocolou ontem (27) ofícios a vários órgãos do governo federal nos quais pede posicionamento sobre possível ameaça de corte no fornecimento de energia por parte do governo venezuelano. O pedido se baseia em reportagens publicadas na imprensa, que mencionam uma dívida do governo brasileiro com o país vizinho de US$ 30 milhões.

O chefe da Casa Civil do governo de Roraima, Frederico Linhares, diz que são necessárias medidas urgentes caso a ameaça seja real, tendo em vista que o estado não está interligado ao sistema elétrico nacional, sendo totalmente dependente do abastecimento energético venezuelano.

“Por conta do embargo econômico impostos pelos Estados Unidos à Venezuela, haveria uma dificuldade operacional de se fazer uma operação financeira entre Brasil e Venezuela. Mas a gente acredita que, com esforço do Banco Central e do Itamaraty, isso pode ser superado. Basta uma vontade política do governo federal para que isso se suceda”, disse Linhares.

O governo roraimense pede que o governo federal se posicione em até 48 horas. Entre os órgãos acionados estão a Casa Civil da Presidência da República, o Ministério das Relações Exteriores, o Ministério de Minas e Energias, a Agência Nacional de Energia Elétrica, o Banco Central e a Eletronorte.

Todos os órgãos foram procurados pela nossa reportagem, mas não obtivemos retorno até a publicação da reportagem.

Linhão de Tucuruí
Na semana passada, o governo federal anunciou para setembro a primeira parte da licença ambiental para a construção do Linhão de Tucuruí, que vai interligar Roraima com o sistema elétrico nacional. A partir do fim de setembro, será possível à empresa responsável começar o empreendimento.

O estado de Roraima é o único do país que está fora do Sistema Interligado Nacional (SIN), recebendo energia elétrica da Venezuela e de usinas termelétricas, acionadas sempre que há interrupção no fornecimento.

Previsto para ser construído desde 2011, o chamado linhão de Tucuruí, unindo Boa Vista a Manaus, tem previsão de pouco mais de 720 quilômetros (km), dos quais cerca de 123 km passam dentro da Terra Indígena Waimiri-Atroari, onde vivem 1.600 índios, em 31 aldeias. Com Agência Brasil

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm