Banner Águas de Pará de Minas   Prefeitura de Pará de Minas

Em nota, reitores repudiam ações da Justiça eleitoral em universidades


Reitores repudiam, em nota, ações de agentes da Justiça Eleitoral. O posicionamento foi divulgado hoje (26), após a divulgação de uma série de ações policiais e de fiscais eleitorais em diversas universidades públicas do país.

“Como todos os cidadãos, os membros da comunidade universitária têm o direito constitucional de promover debates, elaborar análises e de se manifestarem politicamente”, diz nota divulga pela Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes).

Segundo a entidade, em nome da fiscalização da propaganda eleitoral indevida, alinhada a partidos e candidatos nas instituições públicas, agentes da Justiça Eleitoral “almejam censurar a liberdade de expressão de estudantes, técnicos e professores das universidades públicas federais”.

“As universidades públicas seguirão exercendo o preceito constitucional da Autonomia Universitária, fundamento da liberdade de cátedra, para fomentar a ciência, a tecnologia, a cultura e a arte necessárias ao desenvolvimento social do país”, diz a Andifes, que acrescenta que o Poder Judiciário jamais pode ensejar medidas abusivas e inconstitucionais.

As ações foram determinadas pela Justiça Eleitoral. Entre as justificativas está a resolução do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que determina que não será tolerada “propaganda, respondendo o infrator pelo emprego de processo de propaganda vedada e, se for o caso, pelo abuso de poder” e também na proibição de se fazer propaganda eleitoral em órgãos públicos.

Segundo o Colégio de Presidentes dos Tribunais Regionais Eleitorais (TREs), essas ações não foram orquestradas e são comuns nesse período, véspera do segundo turno eleitoral, que ocorre neste domingo (28). A entidade diz ainda que houve ações semelhantes em outros órgãos públicos municipais, estaduais e federais em todo o país.

As medidas foram repudiadas por entidades educacionais, pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) do Rio de Janeiro e pela Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão do Ministério Público Federal (MPF). Para a Defensoria Pública da União (DPU), os debates sobre o quadro eleitoral vigente nas universidades não constituem propaganda.

MEC
Em nota, o Ministério da Educação disse que as universidades são autônomas e respondem a todos os órgãos de fiscalização e controle como qualquer outro órgão federal e, por isso, possuem consultoria juridica própria. “Desta forma, o MEC não tem como comentar algo que compete a gestão das universidades e que recebe atuação de outros órgãos fiscalizadores também autônomos”, informou o MEC.

UnB
A Faculdade de Comunicação (FAC) da Universidade de Brasília também divulgou uma nota hoje (26) defendendo a liberdade de expressão e a tolerância. A FAC e se une ao Conselho Universitário da UnB na defesa da democracia e da garantia dos direitos constitucionais e lembra a memória institucional da repressão militar ocorrida entre 1964 e 1985, quando professores foram demitidos, exilados ou perseguidos, assim como estudantes e técnicos dentro do próprio campus universitário.

A FAC também se manifestou contra a violência a jornalistas e criticou o uso de desinformação para influenciar votos durante a disputa eleitoral e reiterou o compromisso da instituição com o respeito à liberdade de expressão, considerada princípio fundamental para “assegurar os Direitos Humanos à pluralidade, à diversidade e à justiça social, valores estes norteadores de nossa história”. Com Agência Brasil

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm