Banner Águas de Pará de Minas   Prefeitura de Pará de Minas

Júri decide se condena mais um policial por chacina em Osasco

O policial militar Victor Cristilder dos Santos, acusado de envolvimento na chacina de Osasco e Barueri, vai a júri popular nesta terça-feira (27), a partir das 10h, quando os jurados decidirão se o quarto agente de segurança envolvido será ou não condenado pelas 17 mortes ocorridas nessas cidades no dia 13 de agosto de 2015.

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

O julgamento será iniciado com o sorteio dos sete jurados que vão acompanhar os argumentos da defesa e da acusação e o depoimento do réu.

A previsão é que também sejam ouvidas 25 testemunhas arroladas pela defesa do réu e pela acusação, formada pelo Ministério Público e pela Defensoria Pública. O júri será presidido novamente pela juíza Élia Kinosita Bulman.

Para a acusação, o policial Cristilder, como é mais conhecido, teria combinado com um guarda municipal sobre o inicio do horário da chacina por meio de mensagens no celular. Além disso, ele teria dirigido um dos carros utilizado na chacina e feito disparos com armas de fogo contra as vítimas. Ele foi acusado por oito mortes e também por tentativa de homicídio.

No primeiro julgamento do caso, os sete jurados decidiram condenar os policiais militares Fabrício Emmanuel Eleutério e Thiago Barbosa Henklain, além do guarda civil Sérgio Manhanhã. O policial Fabrício Emmanuel Eleutério foi condenado à pena de 255 anos, 7 meses e 10 dias de prisão.

O também policial Thiago Barbosa Henklain recebeu sentença de 247 anos, 7 meses e 10 dias. Já o guarda-civil Sérgio Manhanhã foi condenado a 100 anos e 10 meses. As penas somam mais de 600 anos.

Os dois policiais foram acusados de terem disparado contra as vítimas e respondiam por todas as mortes e tentativas de assassinato. O guarda-civil, segundo a acusação, teria atuado para desviar viaturas dos locais onde os crimes ocorreriam e foi denunciado por 11 mortes.

Eles responderam por homicídio qualificado, por motivo torpe, com emprego de recurso que dificulta as perdas das vítimas e praticado por grupo de extermínio, além do crime de formação de quadrilha.

As mortes, conforme o Ministério Público, teriam ocorrido como forma de vingança pela morte de um policial militar e de um guarda civil naquele mesmo mês. De acordo com a acusação, os agentes de segurança se reuniram e decidiram fazer uma chacina.

“Com isto, pretendiam a morte daqueles que entendiam serem responsáveis pelo crime ocorrido bem como dos integrantes de seus grupos. Tudo sem a preocupação com o fato de que, eventualmente, pessoas a serem atingidas fossem completamente desvinculadas com os motivos determinantes da chacina”, afirma a acusação. Com Agência Brasil

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm