Banner Águas de Pará de Minas   Prefeitura de Pará de Minas

Obras serão retomadas no Museu da Imagem e do Som do Rio

Tomaz Silva/Agência Brasil

O Ministério da Cultura (MinC) anunciou na quinta (23) que serão retomadas as obras da nova sede do Museu da Imagem e do Som (MIS) do Rio de Janeiro, na Avenida Atlântica, em Copacabana. Segundo a pasta, a ideia é que o edifício seja inaugurado no ano que vem. A construção teve início em 2010 e, segundo o cronograma inicial, seria concluída em 2012, mas sofreu sucessivos atrasos e foi suspensa em setembro de 2016.

Vinculado à Secretaria de Estado de Cultura do Rio de Janeiro, o MIS tem um rico acervo com mais de 300 mil itens, incluindo fotografias, filmes, partituras, discos, fitas de áudio, livros e objetos. O projeto de uma nova sede, na orla da Praia de Copacabana, foi desenvolvido em parceria com a Fundação Roberto Marinho e contou com o aporte de recursos públicos e de patrocinadores privados. Segundo o MinC, cerca de R$ 70 milhões já foram destinados pelo governo federal por meio da Lei de Incentivo à Cultura. Além disso, há recursos obtidos por meio do Programa de Desenvolvimento do Turismo (Prodetur), criado pelo Ministério do Turismo e financiado pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

Em junho de 2014, o governo estadual anunciou que cerca de 70% do edifício já estavam concluídos e previa a entrega para dezembro do mesmo ano. No entanto, a estimativa não se concretizou. A obra parou, houve rescisão do contrato com a empreiteira responsável e a realização de uma nova licitação enfrentava restrições impostas pelo “estado de calamidade financeira”, decretado pelo governo do estado em 2016 em decorrência da crise econômica.

A situação também se complicou porque o contrato de financiamento firmado com o BID terminou em agosto de 2017 e a assinatura de um aditivo para renová-lo dependia de autorização da Comissão de Financiamentos Externos (Cofiex) do Ministério do Planejamento, o que não foi concedido em decorrência da situação das contas estaduais. O Rio de Janeiro já havia, na ocasião, aderido ao Regime de Recuperação Fiscal proposto pelo governo federal. A medida permitiu que estados com problemas de caixa suspendessem por três anos o pagamento da dívida com a União, desde que atendessem a determinadas contrapartidas.

Na quarta (22), finalmente houve o aval do Cofiex para que o aditivo seja assinado, prorrogando o financiamento até junho de 2020 e destravando assim US$ 20,8 milhões de dólares do financiamento do banco. “Só após intensa negociação com a Secretaria do Tesouro Nacional, o estado do Rio e o BID, com a implementação do Regime de Recuperação Fiscal, foi possível obter um cenário positivo para a aprovação”, informou em nota o Ministério do Planejamento.

De acordo com o ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, o destravamento dos recursos foi resultado de uma grande articulação envolvendo órgãos do governo federal e do governo estadual, o BID e representantes da Fundação Roberto Marinho. Segundo ele, o acordo representa uma vitória para a cultura e para o estado do Rio de Janeiro. “Estamos falando de uma instituição importante para a memória audiovisual de uma cidade tão rica em termos de expressões culturais e artísticas. O novo MIS será um emblema da recuperação econômica do Rio”, disse o ministro

A nova sede terá 9,8 mil metros quadrados de área, divididos em oito pavimentos. Haverá espaços destinados à pesquisa, salas para atividades educativas, um centro de documentação, um cine-teatro-auditório de 280 lugares, loja, cafeteria, restaurante panorâmico, boate e um mirante com cinema ao ar livre. Concebido como um boulevard vertical, o projeto arquitetônico buscou inspiração na paisagem carioca e nas curvas do calçadão de Copacabana. O edifício foi planejado de forma que possibilite um novo tratamento ao imenso acervo, a partir de uma linguagem museográfica contemporânea.

O edital de licitação para a contratação de uma nova empreiteira deverá agora passar pela apreciação do Tribunal de Contas do Estado (TCE-RJ). Conforme anunciou o governo do Rio de Janeiro, a expectativa é que seja avaliado pela corte em aproximadamente 30 dias. “Assim que reiniciada a intervenção, a previsão é de 12 meses para realização das obras físicas e seis meses para implantação do museu e sua abertura ao público”, diz nota divulgada pelo estado.

Origem
Pioneiro no país, o MIS do Rio surgiu em 1965 e se tornou um ponto de encontro das vanguardas culturais cariocas. Com o tempo, a ideia de um museu audiovisual foi se consolidando e o espaço foi também se qualificando como um centro de documentação de música e imagem, inspirando iniciativas similares em outras cidades brasileiras. Atualmente, o MIS ocupa dois endereços na região central da capital fluminense: o prédio original, na Praça XV, e outro edifício, na Lapa.

Entre os itens do acervo, destacam-se mais de mil depoimentos e mais de 4 mil horas de gravação abrangendo os mais diversos segmentos da cultura. Há também vasto material de arquivo da Rádio Nacional do Rio de Janeiro e coleções que reúnem raridades de diversos artistas, como Carmen Miranda, Jacob do Bandolim e Dorival Caymmi. Além de guardar todo este material, organizá-lo para exposições e disponibilizá-lo para pesquisa, o MIS também produz conteúdos que construam uma conexão entre passado, presente e futuro. O museu, conforme consta em sua página eletrônica, “registra e preserva a memória, fazendo uso de tecnologias disponíveis em cada época”. Com Agência Brasil

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm