Banner Águas de Pará de Minas   Prefeitura de Pará de Minas

Maioria das vítimas de acidente de trânsito no Rio são jovens do sexo masculino

Agência Brasil

Um estudo realizado pelo Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro traçou o perfil das vítimas de acidentes de trânsito em 2017. Segundo a pesquisa, as maiores vítimas das ocorrências são homens entre 20 a 29 anos, que registram incidência 324% maior do que entre as mulheres da mesma idade.

A mesma pesquisa mostra que o meio de transporte campeão em acidentes é a motocicleta, responsável por 47,7% das vítimas atendidas pelos bombeiros. Segundo o relatório, as motos correspondem a 16,7% da frota no estado e, mesmo assim, foram motivadoras de quase metade dos socorros prestados no último ano.

Em seguida está o carro, que representa 68,2% da frota e é responsável por 28,9% dos atendimentos. Já os atropelamentos equivalem a 11,7% dos resgates e as bicicletas, 6,9%. Apenas 2,8% das pessoas socorridas estavam em ônibus, 1,2% em caminhões e 1% em vans.

Lesões
Quanto às lesões mais recorrentes, as pernas e braços são os locais mais atingidos e correspondem a 34% e 31,6%, respectivamente. Ferimentos no rosto totalizam 11,7% e na cabeça, 10,1%.

Segundo a pesquisa, os pedestres são os mais vulneráveis aos traumas múltiplos, lesões graves e mortes porque ficam desprotegidos e expostos ao impacto direto do veículo. Os incidentes que geram maior número de traumas graves são os atropelamentos. Já o menor número diz respeito a vítimas socorridas em ônibus.

Em 2017, o Corpo de Bombeiros constatou 1.236 óbitos ainda na cena de socorro. Desse total, 35,5% eram condutores ou tripulantes de motocicletas, 33,9% ocupantes de automóveis e 20% de pedestres. Os outros 10,6% contabilizam outros perfis.

Dispositivos de segurança
A importância do uso do cinto de segurança e do capacete é confirmada no relatório. Do total de vítimas que saíram ilesas de um acidente, 69,9% utilizavam equipamento de proteção. Os registros também indicam que os dispositivos evitam lesões mais graves; apenas 25,3% das vítimas graves de acidentes de carro, com risco iminente de vida, estavam de cinto.

Apenas 44,7% dos acidentados em automóveis usavam o cinto de segurança e em somente 34,6% dos socorros envolvendo crianças de zero a sete anos o uso do assento infantil foi identificado. Já entre os motociclistas, a utilização do capacete foi verificada em 63% dos casos.

O estudo foi realizado a partir de dados registrados pelas unidades operacionais do Corpo de Bombeiros, tendo como base os atendimentos pré-hospitalares realizados no território fluminense envolvendo veículos terrestres. A intenção da pesquisa é fornecer informações para basear e fortalecer estratégias de prevenção. Com Agência Brasil

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm