Banner Águas de Pará de Minas   Prefeitura de Pará de Minas

Postos de gasolina e ônibus são afetados com paralisação dos caminhoneiros

O desabastecimento de postos de combustível no Rio de Janeiro já é uma realidade. De acordo com o Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis do Município do Rio de Janeiro (Sindcomb), a última vez que as bombas da cidade foram abastecidas foi na segunda-feira (21), dia em que a paralisação da categoria teve início. A entidade calcula que ao menos metade dos postos da capital estarão nesta quinta (24) sem algum dos três combustíveis: gasolina, diesel ou etanol.

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

De acordo com o Sindcomb, já há diversos postos com as bombas secas. A Agência Brasil fez contato com três postos localizados nos bairros Tijuca, São Clemente e Laranjeiras e constatou que a situação mais grave é com o etanol. Em dois dos postos contatados, o combustível já havia acabado e, no terceiro, o atendente informou que estava próximo do fim. A gasolina também não deve demorar a se esgotar. Como a procura é alta, no posto de São Clemente, a estimativa é de que acabe ainda na noite de quarta (23). Nos outros dois, o cenário não é diferente: as bombas devem secar nesta quinta (24) pela manhã.

A paralisação dos caminhoneiros teve início na segunda (22) em diversos estados do país. Os grevistas protestam contra os sucessivos reajustes nos preços dos combustíveis, especificamente o diesel. Na quarta (23), em uma reunião entre representantes do governo e dos caminhoneiros, o presidente Michel Temer chegou a pedir uma trégua de três dias na paralisação, mas o encontro terminou sem acordo.

A falta de combustível afeta também a operação dos ônibus. “Levantamento realizado, nesta manhã, estima em até 40% o percentual da frota que não foi para as ruas por indisponibilidade de combustível, comprometendo o transporte de passageiros, especialmente na Região Metropolitana”, informou em nota a Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro (Fetranspor).

De acordo com a entidade, o desabastecimento de óleo diesel atingiu um ponto extremamente crítico e, embora as empresas busquem alternativas, a previsão é de que as reservas do combustível nas empresas se esgotem nesta quinta (24). “O cenário pode ser agravado caso o abastecimento não seja normalizado, levando à retenção nas garagens de um número maior de ônibus, podendo atingir até 70% da frota. O consumo de óleo diesel chega a 2 milhões de litros por dia em todo o estado”. Na nota, a Fetranspor também lamenta a alta no preço do diesel. “De 2017 para 2018, foram registrados reajustes de até 40% no valor do combustível. Trata-se do insumo de maior peso no custo de operação das empresas de transporte público”, acrescenta.

O Sindicato das Empresas de Ônibus da Cidade do Rio de Janeiro (Rio Ônibus) afirmou que, na capital, a operação na tarde de quarta (23) ocorreu com 72% da frota. “As empresas de ônibus estão sob o risco iminente de falta de combustível. As empresas consorciadas estão empenhando todos os esforços para que a população não seja prejudicada, chegando até a abastecer os coletivos em postos de gasolina comuns, mesmo com o preço do óleo diesel superior ao habitual”.

Também na região metropolitana, a Empresa Pública de Transportes (EPT) vinculada à prefeitura de Maricá informou que os ônibus vermelhos, que oferecem transporte gratuito à população, adotaram a partir de quarta (23) uma operação com escala reduzida. “Todas as linhas tiveram os horários de circulação reduzidos e alguns itinerários foram unificados. Nos horários de maior demanda, como saída e retorno do trabalho e horários escolares, a operação será normal”, registra nota divulgada pela estatal do município.

Além dos combustíveis, cresce também a preocupação com a distribuição de gás. Conforme o Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Gás Liquefeito de Petróleo (Sindigás), a interdição das principais rodovias brasileiras pode levar ao desabastecimento de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP), pois a situação impede a locomoção dos caminhões que transportam o produto, sejam a granel ou em botijões. “Os riscos de desabastecimento atingem todas as regiões brasileiras e podem causar prejuízos ao funcionamento de serviços essenciais, como hospitais, escolas e creches, além de residências e o segmento empresarial”. Com Agência Brasil

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm