Banner Águas de Pará de Minas   Prefeitura de Pará de Minas

Para resolver crise, indústria propõe aumentar biodiesel no combustível


Após várias reuniões, o ministro de Minas e Energia, Moreira Franco, recebeu ontem (23) sugestões das indústrias de óleos vegetais e álcool para tentar resolver a crise em torno do preço dos combustíveis, especialmente gasolina e diesel. Entre as sugestões apresentadas estão o aumento da mistura de biodiesel no diesel, venda direta de etanol para os postos de gasolina e revisão das metas da Política Nacional de Biocombustíveis (RenovaBio).

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

A Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove), propôs um aumento na mistura de biodiesel no Centro-Oeste como forma de forçar uma redução no preço do combustível. A proposta específica para a região se justifica por ser onde se concentram os estados com a maior produção de soja do país, o que daria capacidade para suprir a demanda.

De acordo com a proposta, o setor tem capacidade de fornecer biodiesel suficiente para elevar a mistura com o diesel dos atuais 10% para 15%. A entidade estima que a medida, no curto prazo, pode levar a uma redução de R$ 0,10 por litro nas bombas dos postos da Região Centro-Oeste e, por consequência, levar a uma redução no restante do país. “Já é mais do que a redução da Cide [Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico]”, disse o presidente-executivo da Abiove, André Nasser.

Revisão de metas da Renovabio
A entidade também propõe uma revisão das metas do Renovabio, atualmente em discussão no Ministério de Minas e Energia. O programa tem por objetivo aumentar a produção de biocombustíveis no Brasil, para que o país cumpra os compromissos assumidos no Acordo de Paris de redução das emissões de gases de efeito estufa. Entre outros pontos, o Renovabio busca reduzir em 10,1% as emissões de gases de efeito estufa na matriz de combustíveis até 2028.

O programa prevê, entre outros pontos, o aumento gradual da mistura de biodiesel no diesel. Atualmente, a legislação determina em 10% o percentual da mistura. O setor propõe como saída de média prazo para a crise o aumento para 11% em 2019 e atingir a mistura de 15% já em 2023.

“A proposta atual em discussão no ministério é aumentar em 11% a mistura para 2020, subindo 1 ponto até 2023, quando chega em 15%. Nós trouxemos duas ideias: antecipar em 11% para 2019, mas isso requer uma revisão das metas de descarbonização do Renovabio, uma coisa tem que estar casada com a outra, e quando atingir 15% iniciar um cronograma para chegar em 20% daqui a dez anos”, disse.

De acordo com Nasser, a manutenção da paralisação dos caminhoneiros pode ter impacto na balança de exportações brasileira, puxada pela produção da soja. “A produção brasileira de soja provavelmente vai ser maior que a dos Estados Unidos da América, tudo depende de quanto tempo a greve vai durar. Por isso estamos fazendo tudo para que ela se encerre o mais breve possível. Para nós o que interessa agora é voltar ao escoamento normal dos produtos, porque só cerca de 40% da safra foi escoada e temos 60% para escoar”, disse.

Venda de etanol nos postos
O setor sucroenergético chegou a propor a possibilidade de venda direta de etanol para os postos. “O que ele [o ministro] pediu foram sugestões para aprimorar o modelo de distribuição de combustíveis no país. Para a gente, o modelo é defasado, ultrapassado e ele tem que ser reformado para aproximar o produtor do consumidor”, disse o vice-presidente do Fórum Nacional Sucroenergético, Renato Cunha

Segundo Cunha, o modelo de distribuição tem 50 anos e não atende mais ao setor. “O nosso objetivo é fazer com que atuemos de forma mais direta com o consumidor, entrando e diminuindo margens de quem está no meio do caminho, seja pela diminuição de imposto ou do distribuidor que compra o nosso produto para revender”, disse. “Não queremos alijar o distribuidor, mas por que não se tem a possibilidade de vender diretamente cobrando todos os impostos?”

A diretora-presidente da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica), Elizabeth Farina, disse que a possibilidade de venda direta a postos de combustível tem que ser melhor estudada. “Isso precisa ser estudado, não é uma medida simples. Só ver o tamanho da cidade de São Paulo para entender que distribuir combustível trazido do interior não é tarefa simples”, disse.

Segundo Elizabeth, o setor levou ao ministro a preocupação de o governo desonerar a gasolina. Para a diretora, isso poderia reduzir a competitividade da indústria do etanol. “Desonerar a gasolina pode ter como efeito a perda da competitividade do biocombustível. Já vimos isso no passado, o que gerou uma crise para a Petrobras, devido ao controle de preços, mas quem sofreu mais foi o etanol, e o resultado disso foram 80 usinas fechadas. Parece que houve uma evolução e decidiu-se desonerar o diesel e não a gasolina”, disse. Com Agência Brasil

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm