Banner Águas de Pará de Minas   Prefeitura de Pará de Minas

Verão começa com previsão de chuvas

O verão, que começou nesta quinta (21) às 14h28, deve ter chuvas regulares na maior parte do país. Entretanto, a estação terá influência do fenômeno La Niña de intensidade fraca, o que pode alterar um pouco as condições climáticas, segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet).

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

O verão é caracterizado, normalmente, por temperaturas elevadas em todo o país e com mudanças rápidas nas condições de tempo, com chuvas e ventos fortes, queda de granizo e raios, em todas as regiões do Brasil. Com a presença do La Niña, pode ocorrer chuva mais contínua nas regiões Centro-Oeste e Sudeste; chuva acima do normal nas regiões Norte e Nordeste e irregularidade na distribuição da chuva na Região Sul.

Quanto a temperatura, a previsão do Inmet é que fique acima do normal na Região Sul, normal a abaixo do normal nas regiões Sudeste e Centro-Oeste, e dentro do normal nas regiões Nordeste e Norte do país.

O La Niña é o resfriamento das águas do Oceano Pacífico. Segundo o Inmet, esse resfriamento vem sendo observado desde agosto e indica a permanência do fenômeno pelo menos até março de 2018.

O prognóstico do verão apresentado pela Inmet aponta ainda que a temperatura da água do Atlântico Sul também esteve mais fria nos últimos meses, enquanto no Atlântico Norte observam-se temperaturas mais quentes. “Caso as duas condições se mantenham, poderá ocorrer uma condição chamada de dipolo positivo do Atlântico Tropical, o que é desfavorável às chuvas no norte das regiões Norte e Nordeste”, informa o instituto.

O verão termina às 13h15 do dia 20 de março de 2018.

Região Norte
Com o verão, há uma maior concentração de chuvas na Região Norte. Mas, na estação que começa hoje, a distribuição das chuvas apresentará irregularidades, considerando a influência do La Niña. A previsão do Inmet é de déficit de chuvas para o oeste do Amazonas e Acre e chuvas em torno da média para a parte mais central do Amazonas, com tendência de índices acima da média para o sudeste do Amazonas.

No litoral do Pará, chove aproximadamente 28 dias em cada mês, com possibilidades de ocorrer máximos extremos de precipitação, incluindo o leste do Amapá. No sul e centro do Pará e no Tocantins persiste o período chuvoso, que se iniciou no mês de novembro, ocorrendo chuvas mais intensas e frequentes. Nas cidades a oeste do Pará, as chuvas poderão ficar abaixo da média em janeiro, entretanto, a frequência e intensidade aumentará nos meses de fevereiro e março.

Em Roraima, o verão é caracterizado por um período seco.

Na Região Norte, a variação das temperaturas mínimas, em média, oscilará em torno de 19ºC a 24ºC, enquanto que as máximas variarão de 28ºC a 33ºC.

Região Nordeste
Segundo o Inmet, haverá chuva no semi-árido do Nordeste, já em dezembro, diferente do que aconteceu nos verões dos últimos cinco anos, que foram mais secos. Embora as temperaturas do Atlântico não estejam favoráveis, devido à persistência do fenômeno La Niña de fraca intensidade, existe a perspectiva de chuvas ligeiramente acima da média no norte e chuvas em torno da média nas demais áreas.

As temperaturas serão elevadas. As máximas poderão ficar acima de 35ºC, ocorrendo em algumas localidades valores próximos a 40ºC, e as mínimas entre 20ºC e 25ºC. Em algumas áreas, principalmente na Bahia, poderão ocorrer mínimas em torno de 18ºC.

De acordo com o Inmet, a faixa litorânea que vai de Natal a Aracajú continua no seu período seco, apesar de haver um aumento nos volumes de chuvas em relação aos últimos meses. A população nessa região vive o seu período mais quente do ano, com máximas superiores a 30ºC, e mínimas entre 22 e 27ºC.

Região Centro-Oeste
Neste início de verão, a Região Centro-Oeste tem características idênticas ao final da primavera, com ocorrência de pancadas de chuvas e ventos fortes, raios e granizo. Segundo o Inmet, com o decorrer da estação, essas condições deverão se modificar, isto é, com chuva mais contínua e com queda de temperatura, devido à influência da umidade que vem da Amazônia.

Neste período, a temperatura mínima, em média, em toda região, vai variar entre 19ºC e 24ºC; no Distrito Federal, a mínima extrema será em torno de 16ºC no Distrito Federal. Já a temperatura máxima ficará, em média, entre 27ºC e 31ºC; com máxima extrema em torno de 39ºC no Mato Grosso do Sul.

Região Sudeste
De acordo com a previsão do Inmet, o trimestre na Região Sudeste será marcado por chuvas intensas, acompanhadas de rajadas de ventos e, por vezes, com queda de granizo. Normalmente essas chuvas são intercaladas com a passagem de frentes frias, que ainda influenciam o clima, principalmente ao leste da região. A massa de ar quente e úmida domina nesta época, contribuindo para a elevação das temperaturas e formação de áreas de instabilidade no período da tarde.

Para Minas Gerais, principalmente no centro-norte e leste do estado, o Inmet alerta que a ocorrência de veranico é comum, em meados de janeiro e durante o mês de fevereiro. São períodos de dias consecutivos sem chuva e com temperatura máximas elevadas.

Região Sul
Uma das características marcantes da influência do La Niña na Região Sul é a má distribuição e irregularidade das chuvas. Portanto, para este verão, o Inmet espera chuvas irregulares e mal distribuídas, como já vem sendo observado nos últimos meses, em toda a região. Com isto, podem ocorrer chuvas fortes, com trovoadas e granizo, em períodos curtos de tempo, intercalando com períodos de vários dias sem precipitação.

As variações da umidade atmosférica, juntamente com a presença do La Nina, devem influenciar na redução dos padrões de chuva. A redução das chuvas neste último mês, juntamente com o aumento da evaporação, confirma a possibilidade de déficit hídrico no verão sulista. “Frente a esta situação, alerta-se para, dentro do possível, maiores cuidados com as reservas hídricas”, alerta o Inmet.

O instituto meteorológico alerta ainda que, pelo fato de a evaporação ser maior nos meses de verão, isso pode acarretar problemas para a agricultura. As chuvas, na maioria das vezes, devem ser ocasionadas por instabilidades na atmosfera, favorecidas pelo forte aquecimento durante os dias.

Já as temperaturas tendem a ficar acima do padrão normal. “Em anos de La Niña, normalmente a tendência é dos extremos de temperatura se acentuarem”, informa o Inmet.. As temperaturas médias mínimas devem variar entre 12°C no Planalto Sul de Santa Catarina e 21°C no oeste catarinense. E as médias máximas ficarão entre 22 °C na região serrana de Santa Catarina e 32 °C no oeste do Paraná. Com Agência Brasil

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm