Banner Águas de Pará de Minas   Prefeitura de Pará de Minas

Justiça nega liberdade a mulher acusada de aplicar golpes pelo Facebook em Divinópolis


O juiz Mauro Riuji Yamane, da 2ª Vara Criminal de Divinópolis, negou, na última sexta-feira, 17 de agosto, o pedido de revogação de prisão preventiva feita por uma mulher acusada de aplicar golpes pelo Facebook. O caso está sob investigação. Segundo a polícia, a mulher anunciava a venda de mercadorias pela rede social, mas nunca enviava o material comercializado. Até o momento, apenas em Minas Gerais, 20 vítimas acionaram a polícia e registraram ocorrência.

As investigações apontam que a mulher vendia roupas femininas. Após as negociações e a efetivação do pagamento, as mercadorias não eram entregues e os clientes eram bloqueados nas redes sociais. As apurações também revelaram que, em algumas ocasiões, após as cobranças feitas por clientes, a vendedora enviava mercadorias de baixa qualidade ou peças usadas, diferentemente do acordado. O objetivo, segundo o Ministério Público, era obter um comprovante de envio dos Correios como forma de se resguardar de possíveis reclamações.

Prisão preventiva
Após analisar o caso, o juiz entendeu que os indícios de autoria e materialidade estavam presentes e que a prisão deveria ser mantida. Para o magistrado, não houve modificação relevante na situação, caso em que a parte poderia pedir a revisão da ordem de prisão. “Justifica-se a custódia pela necessidade da manutenção da ordem pública, pois, por meio das informações prestadas pela autoridade policial, verifica-se que a requerida possui diversos registros pela prática de estelionato”, afirmou o juiz em sua decisão.

Apesar de a defesa alegar que a mulher foi absolvida em Lavras, vários outros boletins de ocorrência relacionados ao crime de estelionato foram apresentados, o que demonstrou que a “ordem pública se encontra ameaçada”. Os documentos apresentados, segundo o juiz, indicam ainda que a mulher parece agir de forma habitual e com obtenção de vantagem ilícita.

“Embora primária, a mulher não dispõe de requisitos subjetivos para ficar em liberdade, pois poderá continuar praticando delitos, sendo que ela teria feito dos golpes um meio de vida, o que não pode ser tolerado, ante o evidente comprometimento social”, afirmou o magistrado. O juiz negou o direito à prisão domiciliar, em razão de a ré ter um filho de 5 anos, porque não ficou comprovada que sua presença é imprescindível aos cuidados com o filho. Com informações da Assessoria de Comunicação do Tribunal de Justiça de Minas Gerais.

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm