Banner Águas de Pará de Minas   Prefeitura de Pará de Minas

Caminhada pede agilidade na adoção de crianças e adolescentes

Tomaz Silva/Agência Brasil

Para dar visibilidade às crianças e adolescentes que vivem em abrigos à espera de adoção, foi realizada na manhã de domingo (20), na Orla de Copacabana, a 9ª Caminhada da Adoção, que marca também o Dia Nacional da Adoção, celebrado em 25 de maio. Os participantes pediram agilidade nos trâmites judiciais para adoção, principalmente de crianças que estão fora do perfil mais procurados pelos adotantes.

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

A diretora jurídica da Associação Nacional dos Grupos de Apoio à Adoção (Angaad), Silvana Monte Moreira, disse que um dos motivos da demora é a falta de pessoal para elaborar laudos técnicos que são necessários para o juiz determinar a destituição do poder da família biológica.

“Não temos varas da Infância e da Juventude com competência exclusiva, não temos varas em número suficiente e, principalmente, não temos contratação de psicólogos e assistência social”, disse. “A conta não fecha por culpa do Judiciário, que demora demais para destituir o poder desses pais que abandonaram, negligenciaram, abusaram. Tem uma pesquisa do CNJ [Conselho Nacional de Justiça] que aponta que esse prazo de 120 dias para destituição do poder familiar pode chegar a sete anos e meio”.

Para o juiz e presidente da Coordenadoria de Infância e Juventude do Rio de Janeiro, Sérgio Luiz Ribeiro de Souza, a demora na destituição ocorre porque a família biológica tem direito também a questionar a adoção.

“É um processo judicial com contraditório para a defesa. A lei, na última alteração do Estatuto da Criança e do Adolescente, em novembro, reduziu os prazos para essa ação. Mas cabem recursos”.

Outra dificuldade, segundo o promotor de justiça e coordenador do Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça da Infância e da Juventude, Rodrigo Medina, é que a maioria das crianças em abrigos não é adotada porque está fora do perfil.

“Existe um desencontro entre a criança real, que está com a situação jurídica definida para ser adotada, e o que as pessoas idealizam como filhos adotivos, a preferência nacional são por crianças brancas, sem doenças nem irmãos, de 0 a 3 anos. Essas crianças existem, mas em menor número. As nossas crianças, às vezes, são negras, de grupos de irmãos”.

Ele cita que o Ministério Público do Rio de Janeiro tem o projeto Quero uma Família, que disponibiliza informações sobre crianças com mais de 8 anos, irmãos e algum tipo de doença ou deficiência e visa a promover a adoção delas pelas pessoas habilitadas.

Adoção tardia
Há uma semana a fisioterapeuta Cristiane Chagas Álvares Vidal recebeu a notícia de que está habilitada a adotar depois de ter iniciado o processo de adoção há dois anos. Casada, já tinha decidido que teria um filho biológico e outro adotado, mas ela e o marido descobriram que não poderiam ter filhos e decidiram agilizar a adoção. Agora, o casal espera a chegada de três irmãos de Minas Gerais.

“Vou iniciar a aproximação em duas semanas para trazer essas crianças para o Rio de Janeiro. A ansiedade está altíssima, são três irmãos, de 3, 8 e 9 anos. Nós queríamos uma criança, um deles estava dentro do nosso perfil, mas como eram três irmãos decidimos que eles não irão ser separados, para se apoiarem”, diz Cristiane.

O jovem Emerson Silva de Moraes, 24 anos, lembra que morou em abrigo dos 9 aos 18 anos, sempre na expectativa de ser adotado. Porém, a Justiça não definiu a destituição do poder familiar e ele não conseguiu ser adotado. Emocionado, ele diz que mantém contato com muitos amigos do abrigo. “Eu estava olhando essas crianças de abrigo que estão aqui e meu coração acaba doendo, bate aquela emoção, porque eu já estive no lugar delas. Não há coisa melhor do que a luta para elas terem uma família, porque elas vão ficando mais velhas”.

Cadastro Nacional
O Cadastro Nacional de Adoção tem hoje 8.735 crianças e adolescentes. Desse total, 33,82% são brancas, 17,12% pretas e 48,64% são pardas. Amarelas são apenas 12 e indígenas somam 25 crianças. Conforme o cadastro, 58,21% têm irmãos e 25,95% têm algum problema de saúde.

Os pretendentes cadastrados somam 43.565, sendo que 16,7% aceitam apenas crianças brancas, 47,93% aceitam adotar crianças de qualquer raça, 64,14% podem adotar independentemente do sexo da criança e 63,91% não aceitam irmãos. Com Agência Brasil

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm