Banner Águas de Pará de Minas   Prefeitura de Pará de Minas

Melhora dos índices de segurança pública não reduz sensação de medo

Antonio Cruz/Agência Brasil

O secretário de Segurança Pública e da Paz Social do Distrito Federal, Cristiano Barbosa Sampaio, disse hoje (20), na abertura da XX Reunião do Comitê Setorial de Segurança e Polícia Municipal, da União das Cidades Capitais Ibero-Americanas (UCCI), que a diminuição nas estatísticas de homicídio no Distrito Federal não resultaram em uma diminuição da sensação de medo da população. A mesma análise foi relatada também pelo diretor de Segurança Pública e Manejo de Risco de Santiago do Chile, Fabian Ruiz.

“Brasília [Distrito Federal] registrou, em 2017, o menor índice de homicídios dos últimos 29 anos. Foram 16,3 mortes a cada 100 mil habitantes. Para se ter uma ideia, em 2014, ano em que o atual governo teve início, esse índice estava em 24,3 mortes a cada 100 mil habitantes”, disse Sampaio durante a apresentação que fez na reunião do comitê.

Segundo ele, se o DF mantiver a média do primeiro semestre de 2018, chegará ao final do ano com um índice ainda melhor, de 15,5 mortes. “Isso representará uma redução de 38% na comparação com 2014”, disse à Agência Brasil, após participar da abertura da reunião.

O resultado, no entanto, parece não ser percebido pela população, segundo levantamentos feitos pelo governo do Distrito Federal. “Apesar de os números de homicídios e de outros crimes terem baixado, a população continua se sentindo insegura. Resta-nos, portanto, o desafio de ouvir a população para melhor entender o motivo dessa sensação de insegurança continuar”, acrescentou.

Levantamento similar foi feito no Chile, segundo o diretor de Segurança Pública e Manejo de Risco de Santiago, Fabian Ruiz. “Notamos que há uma relação direta entre mensagens, pessoas e realidade social. Notamos que a percepção das pessoas sobre segurança está diretamente ligada ao que é veiculado por rádios e pelas televisões”, disse à Agência Brasil. “Notamos também que uma má ação costuma ser veiculada dez vezes mais do que uma boa ação”, acrescentou o representante chileno.

De acordo com o secretário de Segurança do DF, a imprensa colabora para a manutenção dessa sensação de insegurança porque costuma apresentar “de forma casuística” as matérias relacionadas à segurança pública.

“Há um conjunto de fatores que resultam nessa situação, e a imprensa também colabora para isso por ser casuística, não passando uma visão sistêmica da situação. Por exemplo, fizemos uma coletiva de imprensa no mês passado para mostrar a melhora nas estatísticas de segurança da cidade. Ninguém deu destaque a isso”, ressaltou Sampaio. “Tivemos oito dias sem homicídio em agosto. Isso também não foi noticiado porque notícia de que alguém não morreu não é notícia”, acrescentou.

A UCCI ocorre anualmente desde 1990. A edição do Distrito Federal vai até o dia 22 de agosto, e conta com a participação de representantes de 22 das 29 cidades que integram a entidade. Entre elas, Rio de Janeiro, São Paulo, Quito (Equador), Santiago (Chile), e Barcelona (Espanha).

Durante os encontros, serão promovidos debates e trocas de experiência sobre temas como gerenciamento de intervenções ambientais/ecológicas para a promoção da segurança pública; centros integrados de segurança pública; e mecanismos de participação popular na segurança pública. Com Agência Brasil

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm