Banner Águas de Pará de Minas   Prefeitura de Pará de Minas

Saiba quais são os benefícios do parto humanizado

Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde

Relatórios das Nações Unidas apontam que, nos últimos 20 anos, médicos, enfermeiros e outros profissionais de saúde passaram a lançar mão, cada vez mais, de intervenções desnecessárias no momento do parto. Além disso, práticas consideradas invasivas e desrespeitosas, que indicam violência obstétrica, também se tornaram mais frequentes.

De acordo com a enfermeira obstetra Simone Silva, essas atitudes podem deixar sequelas psicológicas e físicas na mulher. “As histórias de partos difíceis geralmente estão relacionadas à violência obstétrica. O que mais dói é como a mulher é tratada, ela não pode beber água nem se levantar quando tem vontade”, explica. Segundo a especialista, a ocitocina sintética aplicada no início do trabalho de parto pode levar a outras complicações, como uma hemorragia pós-parto. As mães ainda podem ter dificuldades para amamentar por conta de lesões relacionadas. “O bebê também corre o risco de ter sequelas e ficar internado por conta da má assistência”, destaca Simone.

Parto humanizado 
Para buscar um atendimento menos intervencionista, mais acolhedor e respeitoso, um conjunto de práticas adotadas em diversos hospitais e locais especializados deu origem a um novo modelo de atendimento: o parto humanizado.

Simone Silva comenta que esse formato tem como pilares a assistência respeitosa, que leva em consideração a autonomia da mulher, e atualizada, baseada em evidências científicas. “Ele inclui, principalmente, o afeto à mãe e à criança”, acrescenta.

O parto humanizado é feito com a menor quantidade possível de intervenções. Quando são feitas, são sempre baseadas em evidências e argumentos científicos comprovados. A intenção é evitar práticas como a episiotomia, um procedimento no qual se faz um corte na vagina da mulher para ajudar o bebê a sair. “É uma ação ultrapassada, atualmente há pesquisas que comprovam não haver necessidade desse corte”, afirma Simone.

O modelo de parto humanizado também busca seguir orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS), do Ministério da Saúde e da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), como o corte tardio do cordão umbilical. “Diversos estudos mostraram os benefícios de fazer essa separação só depois que o cordão para de pulsar ou aguardar pelo menos três minutos após o nascimento do bebê, mas, ainda assim, vários profissionais vão contra essas orientações”, alerta a enfermeira obstetra.

Cesariana
Apesar de haver grupos que defendem o contrário, o modelo humanizado não necessariamente será um parto normal. “Parto humanizado também é respeitar os níveis de segurança. Se a mulher está em uma condição na qual precisa de cirurgia, ela deve fazê-la. A cesariana, quando bem indicada, também é humanização”, ressalta Simone.

Respeito que se ensina 
O Ministério da Saúde é responsável pelo projeto Apice On – Aprimoramento e Inovação no Cuidado e Ensino em Obstetrícia e Neonatologia. A iniciativa nasceu da luta para que o conceito de humanização seja inserido e ensinado já no período de formação acadêmica de médicos, enfermeiros e outros profissionais.

O projeto tem uma equipe que visita instituições educacionais e hospitais universitários de todo o Brasil, para que os estudantes tenham contato com essas informações desde cedo. O Apice On conta com a parceria do Ministério da Educação (MEC), da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh) e da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), entre outras instituições. Com informações do Ministério da Saúde/Nações Unidas/Organização Panamericana de Saúde

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm