Banner Águas de Pará de Minas   Prefeitura de Pará de Minas

Tesouro Nacional revisa estimativa de composição da dívida pública para 2018


A instabilidade no mercado financeiro fez o Tesouro Nacional rever as estimativas de composição da dívida pública para 2018. Segundo a revisão do Plano Anual de Financiamento (PAF), divulgada ontem (5) pelo órgão, a projeção para a participação dos papeis vinculados à taxa Selic (juros básicos da economia) aumentou em dois pontos percentuais.

Segundo as novas estimativas, a participação de papéis corrigidos pela Selic na Dívida Pública Federal (DPF) deverá encerrar o ano entre 33% e 37%. No PAF divulgado no início do ano, o intervalo estava entre 31% e 35%. Os limites para os demais títulos de títulos ficou inalterado.

De acordo com o Subsecretário de Dívida Pública do Tesouro Nacional, José Franco Morais, entre o fim de maio e o fim de junho, o Tesouro recomprou títulos públicos para diminuir as turbulências no mercado. Desde que parou com os leilões de recompra, o órgão passou a emitir mais títulos vinculados à Selic, o que tornou necessária a revisão da projeção para o fim do ano.

O Tesouro também aumentou, de 75,6% para 77%, a projeção da Dívida Bruta do Governo Geral em relação ao Produto Interno Bruto (PIB, soma das riquezas produzidas no país). Segundo o órgão, o principal fator para a elevação foi a queda da previsão de crescimento do PIB deste ano para 1,6%, que diminui o denominador da relação dívida/PIB e aumenta a relação total.

Financiamento do governo
Por meio da dívida pública, o governo pega dinheiro emprestado com investidores para honrar os compromissos. Em troca, o Tesouro compromete-se a pagar o valor dos papéis com alguma correção, que pode ser prefixada (definida com antecedência) ou seguir a Selic, a inflação ou o câmbio.

Os papéis vinculados à Selic aumentam o risco para o Tesouro porque seguem os juros básicos da economia, que sobem quando a inflação está em alta e caem quando está em queda. Atualmente, a Selic está em 6,5% ao ano, no menor nível da história. No entanto, por causa das turbulências no mercado financeiro, esse papel tem sido o mais demandado pelos investidores.

Os títulos prefixados são preferíveis à administração da dívida pública porque dão previsibilidade do Tesouro. Como os juros são definidos exatamente no momento da emissão dos papéis, o governo sabe exatamente quanto vai gastar para resgatar os títulos daqui a vários anos.

Os limites para os papéis prefixados (com juros definidos com antecedência) ficaram entre 32% e 36% da DPF. As bandas para os títulos vinculados a índices de preços foram mantidas entre 27% e 31%, assim como os limites para a parcela da dívida pública vinculada ao câmbio, que permanecerão entre 3% e 7%. A previsão para o estoque da dívida no fim do ano foi mantida entre R$ 3,78 trilhões e R$ 3,98 trilhões.

Segundo os números mais recentes divulgados pelo Tesouro Nacional, o estoque da dívida pública federal estava em R$ 3,749 trilhões em julho. Em relação ao mês anterior, o indicador recuou 0,14% (- R$ 5,26 bilhões), por causa, principalmente, de o Tesouro ter resgatado R$ 32,5 bilhões a mais em títulos do que emitiu e do reconhecimento de R$ 30,26 bilhões em juros da dívida. Com Agência Brasil

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm