Banner Águas de Pará de Minas   Prefeitura de Pará de Minas

Elaboração de nova Constituição é “compulsão perversa”. diz Temer

Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O Supremo Tribunal Federal (STF) realizou hoje (4) uma cerimônia em comemoração aos 30 anos de promulgação da Constituição de 1988, que serão completados amanhã. O evento teve a participação do presidente Michel Temer e dos ministros da Corte. Em comemoração à data, o maestro José Carlos Martins foi responsável pela execução do Hino Nacional e um selo especial foi lançado pelos Correios.

Durante o evento, o presidente Michel Temer, em sua fala, exaltou a Constituição de 1988. A exemplo do que fez mais cedo, em evento no Palácio do Planalto, ele defendeu a Constituição e rechaçou qualquer necessidade de se convocar uma nova Assembleia Constituinte, o que ele denominou como uma “compulsão perversa”.

“Temos uma compulsão politicamente perversa. Essa necessidade de a cada 25, 30 anos, achar que precisamos de um novo Estado […], divulgarmos que estamos numa crise econômica, política, moral, institucional e, portanto, impõe-se a elaboração de uma nova Constituição, de um novo Estado. Ao fundamento, a meu ver, equivocado, de que um novo Estado resolve todos os assuntos”, disse o presidente.

Debate nas campanhas
A convocação de uma nova Constituinte ou a elaboração de uma nova Constituição tem sido prometida por candidatos à Presidência da República. O programa de governo do Partido dos Trabalhadores propõe a convocação de uma nova Assembleia Constituinte para viabilizar o “desafio de refundar e aprofundar a democracia no Brasil”.

Em uma palestra a empresários de Curitiba, o candidato a vice-presidente pela chapa de Jair Bolsonaro (PSL), general Hamilton Mourão, defendeu que seja feita uma nova Constituição elaborada por uma comissão de notáveis, mais enxuta e focada em “princípios e valores imutáveis”.

Marco Aurélio
O ministro Marco Aurélio, representando o STF, disse que a legitimidade da Constituição depende das crenças nas instituições e da sociedade e não apenas na qualidade do texto. Durante o seu discurso, o ministro disse que o tribunal retrocedeu ao aceitar a execução da condenação após os recursos na segunda instância.

“O tribunal proclamou a inconstitucionalidade da execução provisória da pena. O fez ante o princípio da não culpabilidade, da inocência. Posteriormente, retrocedeu. Porém, novos dias virão, devendo haver sempre esperança para aqueles que têm direitos previstos na Carta”, disse.

Raquel Dodge
Em seguida, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, avaliou que a Constituição instituiu o governo de leis, marca do mundo civilizado. Dodge afirmou que a Carta reconheceu a pluralidade ética, de crença, de opinião e garantiu a liberdade de imprensa. De acordo com a procuradora, as instituições, como Ministério Público, não podem ser impedidas de atuar.

“A violência, a segurança pública, a corrupção e a desigualdade ainda reclamam uma atuação vigorosa e firme das instituições públicas, que não podem retroceder, nem ter seus instrumentos de atuação revogados. Não há possibilidade de retrocesso, porque a ordem constitucional é de avanço”, afirmou.

Presidente da OAB
O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Claudio Lamachia, disse que a Constituição Federal não é responsável pelas turbulências pelas quais passam o país, mas um “anteparo aos excessos”.

“O Brasil vive um dos períodos mais turbulentos e controversos de toda sua história republicana. Dois presidentes depostos por impeachment, numerosos agentes públicos e empresários graduados presos, denunciados e processados, entre eles, ex-parlamentares, ex-ministros, ex-governadores e um ex-presidente da República. Jamais se viu nada igual”, disse.

Dias Toffoli
Último a se manifestar, o presidente do Supremo, Dias Toffoli, disse que as conquistas que foram garantidas com a nova Constituição sempre devem vigorar e não serão admitidos retrocessos. Citando o jurista português José Gomes Canotilho, Toffoli disse: “nunca mais a escravatura, nunca mais a ditadura, nunca mais o fascismo e o nazismo, nunca mais o comunismo, nunca mais o racismo, nunca mais a discriminação”. Com Agência Brasil

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm