Banner Águas de Pará de Minas   Prefeitura de Pará de Minas

Queimadas causam prejuízos a fauna e flora das Unidades de Conservação

Marcelo Camargo/Agência Brasil

Com uma extensão territorial de mais de 8,5 milhões de km², a maior entre as nações da América do Sul, além da maior biodiversidade, o Brasil já é o país que mais tem registrado focos de fogo no continente em 2018. De acordo com o Programa Queimadas, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), até 15 de agosto, foram 36.780 focos em todo o País. E a incidência vem aumentando nos últimos meses, por conta do ar seco e da falta de chuvas em várias partes do País, algo típico nesta época do ano.

Com isso, flora, fauna e solo, especialmente das áreas protegidas, as Unidades de Conservação (UCs), são comprometidos em diversos níveis. Entenda:

As espécies que formam a flora são, de maneira geral, as mais prejudicas pelas queimadas. Ao contrário dos animais, que, em sua maioria, podem fugir dos locais atingidos, e do solo, mais resistente ao fogo, a vegetação sofre de forma mais direta os efeitos da propagação das chamas.

Entre os biomas brasileiros, o Cerrado e a Amazônia são os que mais sentem os impactos das queimadas. Apesar de ocupar cerca de 24% do território brasileiro – muito menos do que a Amazônia, que representa mais de 49% das terras nacionais –, o Cerrado teve 22.813 km² afetados pelas chamas neste ano, quase metade da área total atingida em todo o País. Segundo o Ministério do Meio Ambiente (MMA), o bioma tem mais de 11 mil espécies de plantas nativas catalogadas.

Para Angela Garda, da Coordenação de Prevenção e Combate a Incêndios (COIN), do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), a fácil propagação do fogo no Cerrado é explicada por dois fatores: a vegetação, formada por grandes extensões contínuas de gramíneas, o que favorece a expansão das chamas; e o clima, caracterizado pela baixíssima umidade.

O Cerrado é o bioma com a maior área queimada neste ano. Mas, em número de focos de fogo, o ranking é liderado pela Amazônia, o maior bioma do País, responsável por 2,5 mil espécies de árvores (um terço da madeira tropical do mundo) e 30 mil espécies de plantas (dentre as 100 mil da América do Sul). Até 15 de agosto, foram 14.881 focos de foco no bioma, ou 40,5% do total registrado no Brasil. Segundo Angela Garda, do ICMBio, os altos índices amazônicos têm relação com a ação humana, com o desmatamento.

Além da Amazônia e do Cerrado, os demais biomas brasileiros apresentam os seguintes números de focos de fogo: Mata Atlântica (4.928, ou 13,4%), Caatinga (1.813, ou 4,9%), Pampa (489, ou 1,3%) e Pantanal (368, ou 1%).

Fauna
Muitas espécies animais, especialmente os mamíferos, conseguem perceber, pelo olfato, a chegada das chamas com mais rapidez e migrar para regiões onde o fogo ainda não se alastrou. Apesar disso, dependendo da intensidade, as queimadas podem mudar de forma intensa a vida animal de um determinado local. Se o incêndio atingir áreas extensas ou durar longos períodos, comprometerá o abrigo e a alimentação.

Além disso, as chamas podem causar a morte de animais de mobilidade mais limitada, além de comprometer a saúde pela inalação de gás carbônico. “Existem alguns [mamíferos] de comportamento mais lento, como o tamanduá, o bicho-preguiça e os filhotes. Com as aves, às vezes o ovo, o ninho, está no caminho do fogo. Esses são os grupos mais sensíveis a serem prejudicados pelo incêndio”, ressalta Angela Garda.

Na Amazônia, estão mais de 1/3 das espécies que vivem no planeta. O Cerrado também apresenta uma grande riqueza, com quase 200 espécies de mamíferos, 1,2 mil de peixes, 180 de répteis, mais de 830 de aves, entre outros, segundo o MMA.

Solo
Por ser um bom isolante térmico, o solo é menos prejudicado do que fauna e flora com a ação destrutiva do fogo. Apesar disso, ele também é danificado com as queimadas. A camada fértil do solo tem, em sua formação, muitas bactérias e micro-organismos, que têm uma taxa alta de crescimento, o que acelera a recuperação. Mas, solos menos férteis, como os típicos do Cerrado, tendem a levar mais tempo para se regenerar após a incidência de fogo. O tipo de solo mais sensível às queimadas no Brasil é a turfa, encontrada no Amapá e em regiões inundadas de vereda. “A turfa é uma camada de matéria orgânica que tem mais de um metro de altura, leva séculos para ser formada e pode ser queimada a nível zero em um único incêndio”, alerta a bióloga do ICMbio. Com informações do ICMBio/Ministério do Meio Ambiente/INPE/Ibama.

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm