Banner Águas de Pará de Minas   Prefeitura de Pará de Minas

Ministro do STF defende coleta de DNA da população para investigação de crimes

Foto: Nelson Jr./SCO/STF

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, defendeu a coleta de DNA, e não apenas de digitais, dos cidadãos para identificá-los com a finalidade de aprimorar investigações de crimes. A declaração foi dada em palestra sobre Ciências Forenses, realizada ontem (30) na capital paulista. A proposta não é consenso entre especialistas.

“Qual o problema de realizar um cadastramento de DNA, que é um exame nada invasivo? Eu propus inclusive na época [quando era ministro da Justiça] ao presidente do TSE [Tribunal Superior Eleitoral] – para evitar isso [de dizer]: ‘Então, é só em relação aos presos – que se fizesse no recadastramento eleitoral da biometria, não só biometria, mas já a coleta do DNA. Se você pode e deve constitucionalmente dar sua identificação, que é a digital, hoje mais moderno que isso é o DNA”, disse o ministro.

O ministro do STF Alexandre de Moraes entrega aos presidentes do Senado, Eunício Oliveira, e da Câmara, Rodrigo Maia, o anteprojeto de lei sobre o combate ao tráfico de drogas, armas e lavagem de dinheiro, em reunião na Câmara.

Para Moraes, a coleta de DNA é uma medida importante “para se combater a criminalidade mais grave, organizada”. Segundo ele, atualmente 40% dos homicídios de autoria conhecida são cometidos por pessoas ligadas ao tráfico de drogas e de armas.

O país, segundo ele, deve se dedicar à solução dos crimes graves. “O Brasil prende muito, mas prende mal, por isso que estamos já com 700 mil presos. Desde o ladrão de galinha até o crime organizado, tudo é pena privativa de liberdade, mesmo os crimes sem violência ou grave ameaça. Com isso, o combate à criminalidade é difuso, é numérico, é quantitativo e não qualitativo”, avaliou.

O ministro acredita que, para o crime leve, deve haver, sim, uma punição rápida, porém proporcional. “E os crimes graves, a violência grave, a criminalidade organizada, essa sim deve ser combatida com pena privativa de liberdade e com os investimentos necessários na polícia, na polícia técnico-científica. Hoje, seja um perito, delegado, Polícia Militar, delegado federal, membro do Ministério Público, o juiz, eles perdem o mesmo tempo com delito insignificante, ou quase, e com um delito gravíssimo. A legislação é idêntica, diferença as vezes é o número de testemunhas”. Com Agência Brasil

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm