Banner Águas de Pará de Minas   Prefeitura de Pará de Minas

Ministérios não gastaram R$ 12,7 bi de verbas autorizadas

Marcelo Camargo/Agência Brasil

Até junho, os ministérios deixaram de gastar R$ 12,7 bilhões em verbas autorizadas, disse o secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida. Segundo ele, dos R$ 130,7 bilhões autorizados pela equipe econômica para serem gastos este ano, R$ 118 bilhões haviam sido desembolsados, num processo chamado de empoçamento de recursos.

De acordo com a Secretaria do Tesouro, as emendas parlamentares concentram o maior volume de empoçamento (R$ 2,4 bilhões). Em seguida, vêm os Ministérios da Saúde (R$ 1,9 bilhão), da Defesa (R$ 1,8 bilhão) e da Educação (R$ 1,4 bilhão). Os encargos financeiros da União, executados em sua maioria pelos Ministérios da Fazenda e do Planejamento, concentram um empoçamento de R$ 1,8 bilhão.

Almeida disse não saber as razões do fenômeno, por tratar-se de problemas de gestão de cada órgão público. “Isso é de cada ministério. O Tesouro não tem como controlar como cada órgão executa uma obra com gasto já autorizado”, declarou. O secretário disse não saber se os gastos serão executados até o fim do ano nem se o volume de empoçamento tende a aumentar ou diminuir nos próximos meses.

Nesta segunda (30), o governo edita um decreto com o limite de movimentação e empenho de cada pasta. Em tese, os R$ 12,7 bilhões poderiam ser usados para diminuir o déficit primário – resultado negativo nas contas do governo desconsiderando os juros da dívida pública – em 2018. Almeida, no entanto, descartou a possibilidade. Ele informou que o governo vai aumentar os limites de pagamento para evitar que essas verbas se transformem em restos a pagar e passem para 2019.

“Numa boa administração pública, o ideal é que o limite de pagamento fique próximo do limite de empenho [autorização de gastos]”, disse Almeida. Segundo o Relatório de Avaliação de Receitas e Despesas, divulgado na semana passada pelos Ministérios do Planejamento e da Fazenda, o governo tem R$ 666 milhões que podem ser liberados sem estourar o teto de gastos federais.

Regra de ouro
O secretário do Tesouro ressaltou que a regra de ouro – dispositivo que proíbe o governo de se endividar para financiar gastos correntes (do dia a dia) – terá outro fator que ajudará no seu cumprimento em 2019. Além do lucro recorde do Banco Central no primeiro semestre, estimado em R$ 165,9 bilhões, o governo terá cerca de R$ 30 bilhões de restos a pagar cancelados em novembro do próximo ano por causa das novas regras.

No mês passado, o governo editou um decreto automatizando o cancelamento de restos a pagar – verbas de anos anteriores que ficam para os exercícios seguintes. Até agora, os empenhos (autorizações de gastos) eram bloqueados depois de um ano e meio se não fossem liquidados, mas cada ministério poderia desbloquear a verba se apresentasse um documento mostrando que parte do gasto prosseguiu.

Com o decreto, o bloqueio continua a ser automático depois de um ano e meio da inscrição do resto a pagar. No entanto, o cancelamento definitivo da verba levará mais seis meses (dois anos no total), caso o ministério não requisite o desbloqueio, ou mais um ano e meio (três anos no total) caso o ministério requisite o desbloqueio, mas não faça a liquidação do gasto.

Para 2019, o governo estima rombo de R$ 94,5 bilhões. O cálculo inclui o lucro do Banco Central, que reforça o caixa do Tesouro e reduz a necessidade de emissão de títulos da dívida pública. No entanto, a conta pode ter o reforço dos R$ 30 bilhões do cancelamento de restos a pagar e de mais R$ 25 bilhões da antecipação, em 20 anos, do pagamento da dívida do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) ao Tesouro e de novas concessões do setor de petróleo e gás.

Fatores excepcionais
Com o déficit primário de R$ 32,867 bilhões no primeiro semestre representando o melhor resultado em três anos, Almeida disse que existe margem confortável para o cumprimento da meta de déficit de R$ 159 bilhões para este ano. Ele ressaltou que os gastos estão crescendo em ritmo menor que as receitas, mas disse que a situação não pode ser comemorada.

Segundo o secretário, diversos fatores excepcionais reforçaram a arrecadação no primeiro semestre. Ele citou o pagamento de R$ 10 bilhões com o Programa Especial de Regularização Tributária (Pert), o aumento de R$ 6,8 bilhões no pagamento de royalties decorrente da alta do petróleo no mercado internacional e de R$ 8,1 bilhões da elevação de tributos sobre os combustíveis. Ele, no entanto, disse que enquanto o Brasil registrar déficits primários, a situação fiscal continuará preocupante.

“Se o Brasil fosse um país rico, a relação dívida pública superior a 70% do PIB [Produto Interno Bruto, soma das riquezas produzidas no país], não preocuparia. Mas esse nível de endividamento é alto para uma economia emergente”, declarou o secretário. Com Agência Brasil

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm