Banner Águas de Pará de Minas   Banner Facebook

AGU recorre ao STJ para derrubar liminar que suspendeu leilão de usinas da Cemig

Divulgação/Cemig

A Advocacia-Geral da União (AGU) apresentou um recurso ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) pedindo a derrubada da liminar que suspendeu a realização do leilão das hidrelétricas de Jaguara, São Simão, Miranda e Volta Grande, operadas pela Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), cujas concessões se encerram este ano.

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

O governo federal pretende realizar o leilão no dia 27 de setembro, no qual espera obter ao menos R$ 11 bilhões, montante considerado importante pelo Planalto para equilibrar as contas pública. De acordo com o edital, os vencedores do certame terão a concessão das hidrelétricas por 30 anos. A companhia mineira se opõe e argumenta que os contratos em vigor lhe garantem a renovação automática da concessão de três das quatro usinas: Jaguara, São Simão e Miranda.

O leilão foi suspenso, por meio de liminar concedida pela Justiça Federal, que atendeu pedido de um advogado sem vínculo com a Cemig. Guilherme da Cunha Andrade entrou com uma ação popular em seu próprio nome, argumentando que o valor pedido pelo governo federal provocará uma “dilapidação” do patrimônio público mineiro. Segundo o autor da ação, os R$ 11 bilhões estão abaixo do valor real das usinas, tendo em vista os investimentos realizados ao longo dos anos. Pelos seus cálculos, as hidrelétricas teriam um valor próximo a R$ 18 bilhões.

Em seu recurso, a AGU sustenta que “os cálculos apresentados pelo autor não possuem qualquer amparo legal e nem substrato documental que os acompanhem”. De acordo com o órgão, Guilherme da Cunha Andrade ignorou previsões da Lei Federal 12.783/2013 e baseou sua contabilidade das indenizações em uma análise rasa dos balanços publicados pela Cemig, aplicando índices de correção monetária sobre os números do ativo da companhia.

A AGU afirma ainda que a manutenção da liminar pode afugentar investidores interessados em participar do leilão. Nesse cenário, de acordo com o recurso, o governo federal seria obrigado a reduzir ainda mais as despesas e os investimentos, com prejuízo para a prestação de serviços públicos essenciais.

Apesar da liminar estar em vigor, a organização do certame agendado para 27 de setembro não foi interrompida. Na última sexta-feira (25), a diretoria da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), responsável pelo leilão, aprovou a republicação do edital com algumas mudanças na formação dos lotes. Entre as alterações, foi decidido que as concessões das usinas de Jaguara, Miranda e Volta Grande, que seriam licitadas juntas em um pacote, deverão agora ser leiloadas separadamente.

Imbróglio
A renovação da concessão das hidrelétricas está ligada a uma disputa que vem desde 2012. A Cemig foi uma das companhias que não aderiram na íntegra à Medida Provisória (MP) 579/2012, apresentada pela então presidenta Dilma Rousseff, que foi posteriormente aprovada no Congresso e convertida na Lei Federal 12.783/2013. Na ocasião, o governo federal ofereceu a renovação por 30 anos das concessões de usinas que venceriam entre 2015 e 2017, mas em troca os beneficiados deveriam aceitar uma série de exigências. A medida tinha como objetivo reduzir em cerca de 20% as tarifas com energia elétrica no país.

A Cemig considerou as condições apresentadas desfavoráveis e optou por não renovar os contratos relacionados às suas usinas. Decisões semelhantes tomaram a Companhia Energética de São Paulo (Cesp) e a Companhia Paranaense de Energia (Copel). Como as concessões não foram renovadas em 2012, o governo federal entende que a legislação em vigor lhe assegura o direito de realizar o leilão e autorizou que a Aneel organizasse o processo.

Já a Cemig alega que os contratos em vigor das usinas de Jaguara, São Simão e Miranda foram celebrados antes da MP 579/2012 e contêm uma cláusula assegurando a renovação automática por 20 anos. Há dois processos sobre o assunto no Supremo Tribunal Federal (STF). O ministro Dias Toffoli, que relata as ações, tentou mediar uma conciliação, mas não obteve sucesso.

Na semana passada, o governo de Minas Gerais e a Cemig lançaram uma campanha virtual contra o leilão, na tentativa de envolver a população do estado a seu favor. A campanha explica que a não renovação das concessões trará impactos na conta de luz dos consumidores mineiros, uma vez que as três hidrelétricas representariam cerca de 50% da capacidade de geração de energia elétrica da companhia mineira. A iniciativa recebeu o apoio de diversos parlamentares, prefeitos municipais e lideranças empresariais.

A Cemig apresentou ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) um pedido de financiamento. A companhia mineira busca recursos para fazer uma proposta ao governo federal. O objetivo é convencer o Planalto a desistir do leilão e renovar as concessões. Com Agência Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm