Banner Águas de Pará de Minas   Prefeitura de Pará de Minas

Jovem de 16 anos morre e sobe para três o número de mortes no segundo dia de greve geral na Venezuela

Um adolescente de 16 anos morreu na quarta-feira (26) em Caracas no primeiro dia de uma greve nacional de 48 horas convocadas pela oposição venezuelana, subindo para dois o número de mortos na nova rodada de protestos contra o governo. A informação é da Agência EFE.

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

A Promotoria 104 da Área Metropolitana de Caracas “investiga a morte de um adolescente de 16 anos que ficou ferido durante manifestação em Petare, neste dia 26 de julho”, diz o Ministério Público venezuelano, em sua conta no Twitter.

A fonte oficial não deu mais detalhes da morte ocorrida na noite de quarta-feira, no bairro de Petare, uma das favelas maiores da América Latina.

A morte do adolescente seguiu a de um homem de 30 anos, que também ocorreu em circunstâncias não divulgadas, no estado de Mérida.

Com as duas mortes, em manifestações separadas no marco da greve geral de 48 horas convocadas contra o governo do presidente Nicolás Maduro, sobe para 102 o número de mortos na onda de protestos ocorridos na Venezuela há quase quatro meses.

O prefeito de Mérida, Carlos García, relatou a morte em sua jurisdição, através do Twitter, e atribuiu a responsabilidade aos agentes da polícia encarregados de conter as manifestações.

Henrique Capriles, candidato da oposição nas duas últimas eleições presidenciais e governador do estado de Miranda, onde está localizada a cidade de Petare, disse que são três e não duas as mortes registradas ontem, mas esta suposta terceira vítima não foi confirmada pela Promotoria.

“Outro jovem assassinado. Hoje são três venezuelanos mortos como consequência de doentia ambição pelo poder” de Maduro, quem “com mortes quer fraude!”, escreveu Capriles na mesma rede social, lembrando a eleição dos membros de uma Assembleia Constituinte prevista para o próximo domingo.

Sobe para três o número de mortes no segundo dia de greve geral na Venezuela
A morte de um jovem de 23 anos no estado de Mérida, no Oeste da Venezuela, elevou para três o número de pessoas que perderam a vida em todo o país durante a greve geral de 48 horas promovida pela oposição contra o presidente Nicolás Maduro que começou na quarta-feira (26). A informação é da Agência EFE.

“A promotoria de Mérida investiga a morte de Enderson Caldera (23), que foi ferido (…) durante uma manifestação em Timotes”, escreveu nesta quinta-feira (27), em seu perfil oficial no Twitter, o Ministério Público (MP) da Venezuela.

O MP tinha informado ontem à noite que um adolescente de 16 anos morreu durante uma manifestação no bairro popular de Petare, em Caracas, que é considerada uma das maiores favelas da América Latina.

Antes, o MP tinha informado a morte de um homem de 30 anos, Rafael Antonio Vergara, durante outra manifestação em Mérida.

Agentes das forças da ordem e participantes da greve geral convocada pela oposição se enfrentaram ontem em vários pontos de Caracas, quando a Guarda Nacional Bolivariana (GNB, Polícia Militar) tentava dispersar os manifestantes.

Líderes da oposição responsabilizaram diretamente o presidente Nicolás Maduro pelas mortes dos três manifestantes.

Com essas novas mortes, já são 103 pessoas que perderam a vida desde 1º de abril deste ano na atual onda de protestos contra o governo.

Segundo a organização de defesa dos direitos humanos Foro Penal Venezolano, das 159 pessoas, 100 delas no estado de Zulia foram detidas ontem nos protestos e em operações policiais, que o grupo qualifica de arbitrárias e ilegais. Com isso, já são 4.500 os detidos dentro dos protestos contra o governo.

Hoje, muitos estabelecimentos comerciais amanheceram com suas portas fechadas e várias ruas seguem bloqueadas ao trânsito por cidadãos que exigem a renúncia do presidente Nicolás Maduro.

“Cumprimos mais de 24 horas da Greve Cívica, 24 horas para que a vontade do povo seja respeitada e detenham a fraude”, escreveu no Twitter o deputado opositor Stalin González, em alusão à Assembleia Constituinte promovida por Maduro, cujos integrantes serão eleitos neste domingo (30) para redigir uma nova Carta Magna.

A greve geral conta com o apoio de mais de 350 sindicatos e da principal associação patronal do país, a Fedecámaras, que pretende forçar Maduro a interromper o processo para elaborar a nova Constituição. Com Agência Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm