Banner Águas de Pará de Minas   Prefeitura de Pará de Minas

Racionamento de água em Brasília afeta indicadores

Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

A seca que atingiu o Distrito Federal no ano passado reduziu a mais da metade a disponibilidade de água em Brasília entre 2016 e 2017. Os dados constam da pesquisa Caraterísticas Gerais dos Domicílios e dos Moradores 2017, divulgada na quinta (26), no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

Elaborado a partir de dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), o estudo indica que, de uma maneira geral, não ocorreu grandes mudanças do ponto de vista estrutural entre 2016 e 2017, persistindo as desigualdades regionais e com avanços lentos dos serviços gerais de saneamento básico, energia elétrica e de bens e serviços no domicílios.

“A gente observou que não houve grandes mudanças. Houve uma redução grande no abastecimento de água no Centro-Oeste, uma vez que, com o racionamento, a disponibilidade de água caiu bastante em Brasília, o que fez com que o indicador da região reduzisse bastante. Mas isso não impactou os estados, ficando restrito ao Centro-Oeste”, disse em entrevista à Agência Brasil a gerente da pesquisa, Maria Lúcia Vieira.

Abastecimento
Dos 69,8 milhões de domicílios no Brasil estimados em 2017, 97,2% (67,8 milhões) tinham água canalizada. Em 85,7% deles, a principal fonte de abastecimento era a rede geral de distribuição, e 86,7% dispunham da rede geral diariamente; 6% com frequência de 4 a 6 vezes na semana; e 5,4%, de uma a três vezes na semana.

O aumento de lares com distribuição de água da rede geral de quatro a seis vezes na semana chegou a 607 mil domicílios, uma alta de 20,4% de 2016 para 2017; enquanto nos domicílios com distribuição de água da rede geral de 1 a 3 vezes na semana caiu 6,2%, o equivalente a 217 mil endereços.

Em 6,6% dos domicílios, a principal fonte de abastecimento era poço profundo ou artesiano; em 3,3%, poço raso, freático ou cacimba; e fonte ou nascente era a principal procedência em 2,1% dos casos.

Entre as grandes regiões, o percentual de domicílios com água canalizada variou de 92,2% no Nordeste a 99,8%, no Sul.

Energia elétrica
A pesquisa constatou também que, dos 69,8 milhões de domicílios existentes no país em 2017, 99,8% tinham energia elétrica fornecida pela rede geral ou por fonte alternativa. Em 99,5%, o equivalente a 69,4 milhões de endereços, havia energia elétrica proveniente da rede geral e a disponibilidade era em tempo integral em 99,2% dos casos (68,8 milhões de domicílios).

Na Região Norte, 98,9% dos domicílios dispunham de energia elétrica vinda da rede geral ou de fonte alternativa, enquanto nas outras grandes regiões, essa proporção variava de 99,5% a 100%.

“De um modo geral, as grandes regiões registraram percentuais de domicílios atendidos pela rede geral de energia elétrica similares aos percentuais de endereços que possuíam energia elétrica, incluindo a originada de fonte alternativa, com exceção da Região Norte, onde 96,4% dos domicílios utilizavam energia proveniente da rede geral”, detalha a pesquisa.

“Nesta questão da energia elétrica não há muita alteração [em relação a 2016] com a quase totalidade das residências já tendo energia proveniente da rede geral”, ressaltou a técnica do IBGE.

Rede de esgoto e coleta de lixo
Mostrando as contradições e as desigualdades que coexistem no país, os dados da Pnad Contínua evidenciam que a proporção de domicílios em que o escoamento do esgoto era feito pela rede geral ou fossa ligada à rede, em 2017, foi bem diferente entre as grandes regiões do Brasil.

Segundo o levantamento, este percentual na Região Sudeste chegava a 88,9%; era de 65,9% no Sul; 52,8% no Centro-Oeste; e 45,1% no Nordeste. Na Região Norte, apenas 20,3% dos endereços tinham escoamento de esgoto pela rede geral ou fossa interligada à rede.

Para Maria Lúcia Vieira, o esgotamento sanitário “manteve-se praticamente estável, mas permanece a questão estrutural com diferenças expressivas entre as entre regiões e os estados”, disse.

Já a coleta direta do lixo pelos serviços de limpeza beneficiava no ano passado 82,9% dos domicílios brasileiros, o equivalente a 57,8 milhões de moradias. Em 7,9% dos casos (5,5 milhões de lares), o lixo era coletado em caçamba de serviço de limpeza e, em 7,9% (5,5 milhões de endereços), queimado na propriedade.

“Embora este comportamento também registre diferenças entre as regiões, no Norte e no Nordeste este percentual não chega a 70%, porque lá o percentual de queima de lixo na propriedade ainda é muito alto”, disse Maria Lúcia, lembrando que, no Norte, 18,2% do lixo e no Nordeste 16% “são queimados na própria residência.”

Mais de 70% tinham casa própria em 2017
Dos 69,8 milhões de lares existentes no Brasil em 2017, 550 mil a mais que em 2016, mais de 70% eram residências próprias. Os dados fazem parte da pesquisa divulgada hoje pelo IBGE.

Baseado em dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), o estudo constatou que – do total de lares no país em 2017 – 67,9% eram próprios e quitados, o equivalente a 47,4 milhões de endereços; enquanto 5,6% ainda estavam sendo pagos (3,9 milhões de unidades).

O levantamento apurou, ainda, que 17,6% dos domicílios eram alugados (12,3 milhões de residências); os cedidos representavam 8,7% (6,1 milhões); e os outra condição, (por exemplo, invasão) somavam 0,2% (145 mil domicílios).

Das quase 70 milhões de moradias existentes no ano passado, 86,6% eram casas e 13,2%, apartamentos. Frente a 2016, houve redução de 3,1% no número de apartamentos, o equivalente a 299 mil unidades e um aumento de 1,5% no total de casas (869 mil unidades).

Centro-Oeste e Sudeste concentram mais lares alugados
A maior proporção de domicílios alugados no país foi encontrada nas Regiões Centro-Oeste (22,3%) e Sudeste (19,8%). Em ambos os casos, os percentuais superam a média nacional de 17,6%.

Já as Regiões Norte (13,6%), Nordeste (14,4%) e Sul (16,4%) tiveram percentuais inferiores à média nacional. Em comparação com 2016, somente a Região Sul apresentou queda de domicílios alugados (0,7%), enquanto no Norte e Centro-Oeste houve aumento (5,8% e 5,5%).

Regiões mais pobres do país, o Norte (74,5%) e o Nordeste (74,1%) concentram os maiores percentuais de lares próprios. O Sul apresentou o maior percentual de domicílios próprios que ainda estavam sendo pagos (8,2%), seguido pelo Centro-Oeste (7,3%) e Sudeste (6,3%). Com Agência Brasil

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm