Banner Águas de Pará de Minas   Banner Facebook

ministro diz que aumento real da aposentadoria coloca em risco política do salário mínimo

carlosgabas1
O ministro da Previdência Social, Carlos Eduardo Gabas, diz que o governo vai trabalhar para tentar derrubar, no Senado, a correção de todas as aposentadorias pela fórmula do salário mínimo, que prevê, além da correção pela inflação, um aumento real de acordo com o crescimento da economia de dois anos antes. O projeto foi aprovado na Câmara dos Deputados, na quarta-feira (24). Embora a medida não tenha impacto neste ou no próximo ano, por causa da variação negativa do Produto Interno Bruto (PIB), Gabas afirma que o governo está preocupado com o princípio criado pelo projeto, que ao conceder reajustes para toda a base de aposentados coloca em risco a própria política do salário mínimo. “A lógica está equivocada”, destacou o ministro em entrevista à Agência Brasil.

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

Agência Brasil – A Câmara aprovou na quarta-feira a correção de todas as aposentadorias pela fórmula do salário mínimo, que é a inflação mais o PIB de dois anos antes. Até o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), disse que a Casa passou dos limites. O que o governo vai fazer?

Carlos Gabas – Vamos trabalhar para mudar quando ele [o tema] for votado no Senado. Não é possível que você vincule uma coisa que não tem relação com a outra. Mais do que o impacto, calculado em R$ 9,2 bilhões, a lógica está equivocada. Esse reajuste das aposentadorias aprovado na Câmara coloca em risco exatamente a política de crescimento do salário mínimo. Não tem sustentação você fazer crescer o conjunto de benefícios da folha de salário da Previdência com o ganho real de acordo com o PIB. Essa é a nossa preocupação. Nós mandamos um conjunto de medidas para o Congresso Nacional com o objetivo de equilibrar as contas da Previdência, de garantir uma previsibilidade, uma sustentabilidade para as futuras gerações. E o Congresso aprova um negócio que vai na contramão disso. O regime de repartição, como é o nosso, é um pacto entre gerações. Quem está trabalhando paga por quem está aposentado. À medida que você diminui o número de pessoas pagando e aumenta o número de pessoas recebendo, você já tem um problema.

Agência Brasil – Como está essa proporção no Brasil?

Carlos Gabas – Hoje, a relação de população é de nove em idade ativa para um aposentado. Mas isso está reduzindo drasticamente. Vamos chegar a 2030 com cinco para um e em 2050 com dois para um. Não existe regime que sustente isso, porque o trabalhador contribui com o índice de 8% a 11% do que ganha e quando aposenta, recebe o salário todo. A idade média de aposentadoria no Brasil é 54 anos e as pessoas estão vivendo até 86 anos. Muitos recebem mais tempo do que pagam. A conta não fecha. Por isso, precisamos fazer mudanças.

Agência Brasil – Como isso pode afetar o ajuste fiscal?

Carlos Gabas – Tudo o que se gasta a mais com determinado setor é recurso do Tesouro, e vai faltar em outro lugar. O objetivo do ajuste é o governo conseguir retomar investimento, que é o que gera crescimento, que gera retribuição, gera distribuição de renda, gera ganho para o trabalhador na ativa, o trabalhador aposentado. Enfim, o Brasil ganha. Com estagnação da economia, ninguém ganha.

Agência Brasil – Das mudanças propostas pelo governo até agora, o que virou regra?

Carlos Gabas – Já é regra um tempo de carência para pensão, de dois anos para casamento ou união estável e 18 meses de recolhimento. Os valores foram preservados, mas a pensão não é mais vitalícia para qualquer idade. É por um tempo limitado para jovens. Cônjuge ou dependente que tenha cometido crime contra o segurado não tem direito a pensão.

Agência Brasil – A idade de aposentadoria no Brasil é baixa na comparação internacional?

Carlos Gabas – É uma das mais baixas do mundo e o mais grave é que o Brasil não exige idade mínima para aposentadoria. É um dos poucos países com aposentadoria por tempo de contribuição. A mulher pode se aposentar com 30 anos de contribuição, e o homem com 35. Se a mulher começou a trabalhar com 15 anos, com 45 ela pode se aposentar. É muito cedo.

Agência Brasil – As centrais sindicais dizem que os trabalhadores mais pobres começam a trabalhar jovens e, portanto, atingem a idade de aposentadoria mais cedo.

Carlos Gabas – Os que se aposentam por tempo de contribuição são menos de 30% do total. Mais de 70% se aposentam por idade, o homem aos 65 anos e a mulher aos 60 anos. E essa parcela não tem nenhum efeito do fator. Muitos não atingem o tempo de contribuição porque não conseguem uma continuidade de recolhimento que lhe permita somar os 35 anos de trabalho.

Agência Brasil – O governo pretende conversar sobre isso com os sindicatos?

Carlos Gabas – Nós vamos fazer um debate. Teremos a oportunidade de apresentar todos esses números no Fórum Nacional de Previdência e Trabalho, que foi criado pela presidenta Dilma Rousseff no dia 30 de abril. Vamos fazer um amplo debate com a sociedade sobre todas essas questões.

Agência Brasil – A Medida Provisória 676, enviada ao Congresso na semana passada, parte da fórmula 85/95 (soma de idade e tempo de contribuição para mulheres e homens), chega a 90/100 em 2022. Isso já equilibra as contas para o futuro?

Carlos Gabas – Acredito que não, porque a longevidade continua aumentando. Ela para em 90/100 porque essa fórmula é o equivalente a uma idade mínima para aposentadoria. Para um homem com 35 anos de contribuição chegar a 100 ele precisa ter 65 anos de idade.

Agência Brasil – A medida provisória permite a aposentadoria por um valor maior para quem entrar com o pedido hoje, em comparação ao mês passado. O governo não teme ações na Justiça?

Carlos Gabas – Já existe uma decisão do Supremo [Tribunal Federal] que entende que vale a regra no momento da aposentadoria.

Agência Brasil – Como o senhor avalia o ajuste fiscal? Ele será suficiente para ajustar as contas rapidamente para a economia crescer no ano que vem?

Carlos Gabas – Não sou economista, mas acho que o que o Joaquim Levy [ministro da Fazenda] propôs dá um bom sinal de austeridade na economia, nos gastos, e aponta para um crescimento econômico a partir do ano que vem. Acho que no segundo semestre deste ano a economia começa a se recuperar. Não deve ter impacto no PIB deste ano, mas retoma toda aquela perspectiva de crescimento para o ano que vem. Acho que está bem encaminhado. Em uma situação de crise financeira, de uma série de dificuldade do governo no Congresso Nacional, na base aliada, aprovar o que nós aprovamos eu acho que tem o seu valor. Com Agência Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm