Banner Águas de Pará de Minas   Prefeitura de Pará de Minas

Confiança da construção recua ao nível de oito meses atrás

Depois de “discretos ganhos” nos dois últimos meses, o Índice de Confiança da Construção (ICST) recuou 2,5 pontos em maio, para 74 pontos, no resultado ajustado sazonalmente. O resultado de maio da Sondagem da Construção, foi divulgado nesta sexta (26), pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV).

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

Com o recuou de abril para maio, Índice de Confiança da Construção além de devolver os discretos ganhos dos últimos meses, retornou ao nível de oito meses atrás, quando o indicador fechou setembro do ano passado em 74,2 pontos.

Ao comentar os números divulgados, a coordenadora de Projetos da Construção da FGV, Ana Maria Castelo, disse que a queda do ICST de abril para maio “reflete a situação de fragilidade do cenário para o setor da construção”. Segundo ela, a avaliação dominante entre as empresas é que o quadro está melhor do que no ano passado, mas ainda não mostra dinamismo para uma possível recuperação.

A forte queda em maio
A FGV avaliou que “a forte queda do ICST”, em maio, foi devido a baixa avaliação das empresas em relação ao momento atual e das expectativas quanto ao futuro refletindo no Índice de Expectativas (IE-CST) que teve queda de 3 pontos, para 84,6 pontos, com retração nos dois quesitos que o compõem.

O destaque negativo do mês ficou com o indicador que mede o otimismo com a situação dos negócios nos seis meses seguintes, que variou -3,8 pontos, para 85,6 pontos, o menor nível desde os 85,3 pontos de janeiro de 2017.

O Índice de Situação Atual (ISA-CST), ao recuar 2 pontos, para 63,7 pontos, devolveu a alta de 2,9 pontos de abril. Ambos os indicadores que compõem o subíndice recuaram, com destaque para o que mede situação dos negócios corrente, que caiu 2,2 pontos, para 64,6 pontos.

Segundo Ana Maria Castelo, “a percepção em relação à situação atual vem oscilando em patamares muito baixos, levando a uma análise para baixo das expectativas”. Segundo ela, a pesquisa não captou o aumento de incerteza no ambiente político, que pode adiar ainda mais a retomada dos investimentos.”

A FGV ressaltou, que o Nível de Utilização da Capacidade (NUCI) do setor recuou 0,7 ponto percentual em maio, alcançando 62,1% – o menor da série -. Com a atividade mantendo-se em nível muito baixo e as expectativas de melhora se revertendo, as empresas do setor continuam com tendência a desmobilizar mão de obra.

Considerando que o setor da construção havia sido o único a registrar saldo negativo no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) em abril, os dados do NUCI de Mão de Obra do setor em maio – e o Emprego Formal do Caged – sugere que o mercado de trabalho na construção ainda deverá se manter em queda por algum tempo.

A edição de maio de 2017 coletou informações de 696 empresas entre os dias 2 e 24 deste mês. A próxima divulgação da Sondagem da Construção ocorrerá em 27 de junho de 2017. Com Agência Brasil

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm