Banner Águas de Pará de Minas   Prefeitura de Pará de Minas

Programa de proteção a adolescentes em SP não atende novas vítimas desde janeiro

Apesar de uma fila de 70 pedidos, o Programa de Proteção de Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte (PPCAAM), no estado de São Paulo, não tem conseguido incluir novas vítimas desde o mês de janeiro. Estão sendo mantidos protegidos atualmente pelo programa 20 adolescentes e 40 familiares. Há dois meses, eram 34 adolescentes e 101 familiares atendidos.

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

O programa, que tem por objetivo preservar a vida das crianças e dos adolescentes ameaçados de morte, foi criado pelo governo federal em 2003 e regulamentado em 2007. É coordenado pela Secretaria Nacional de Direitos Humanos do Ministério da Justiça em parceria com os governos estaduais. No estado de São Paulo, a Secretaria da Justiça e Defesa da Cidadania encabeça o programa.

“Segundo a Defensoria Pública e o próprio conselho gestor do programa, há 70 novos casos de pedidos de proteção. Eles estão correndo risco. Esses adolescentes podem morrer a qualquer momento porque essa proteção hoje não existe, não está acontecendo”, disse o coordenador da Comissão da Criança e do Adolescente do Conselho Estadual de Direitos Humanos (Condepe-SP), Ariel de Castro Alves. A Defensoria Pública, o Judiciário, o Ministério Público e os conselhos tutelares podem pedir a inclusão de adolescentes no programa.

Recursos
O governo federal não tem repassado recursos para o estado de São Paulo pelo menos desde janeiro. Segundo Castro, são duas parcelas, a primeira de R$ 600 mil, que deveria ter sido transferida em abril, e a segunda, de R$ 200 mil, prevista para julho. “Só que até agora esses recursos não entraram”. O governo do estado, que prevê investir no programa de R$ 1,08 milhão, contingenciou cerca de R$ 190 mil.

Além da diminuição dos recursos, tanto do governo federal quanto do estadual, o programa está com uma equipe menor: no ano passado tinha 14 pessoas, agora está com seis. “A importância do programa é identificar aqueles casos em que existem riscos graves à vida, integridade dos adolescentes. É o último recurso diante de casos graves de ameças iminentes”, disse o coordenador do Condepe.

Outro lado
Em nota, a Secretaria da Justiça de São Paulo disse que foi surpreendida com atrasos no repasse federal e hoje mantém o programa apenas com recursos estaduais. “O programa, que exige recursos oriundos dos orçamentos estadual e federal para sua adequada execução, passou a ser mantido apenas com os recursos do estado, valor insuficiente para o funcionamento do programa de forma plena”. A secretaria disse que há atualmente 41 pedidos para inclusão de adolescentes no programa.

A Secretaria Nacional de Direitos Humanos do Ministério da Justiça foi procurada na noite de terça (23) pela reportagem e até o momento não se manifestou. Com Agência Brasil

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm