Banner Águas de Pará de Minas   Prefeitura de Pará de Minas

Ministério da Cultura habilitará entidades para recolher direitos autorais

Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, informou esta semana que a pasta trabalha para concluir, em até 90 dias, a habilitação das entidades profissionais de autores, atores e atrizes que vão atuar no recolhimento de direitos autorais dessas categorias sobre obras audiovisuais. Esse processo é aguardado desde 2013, quando foi feita uma revisão, pelo Congresso Nacional, da Lei do Direito Autoral, que culminou na aprovação da Lei 12.853, que dispõe sobre a gestão coletiva dos direitos autorais.

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

A regra conferiu ao Ministério da Cultura (MinC) papel de fiscalizador da arrecadação desses direitos, prática regulamentada por decreto em 2015. Desde então, o MinC só havia concluído a habilitação das entidades que atuam no recolhimento de direitos autorais do segmento musical.

“Esse é um direito assegurado em lei, o que aconteceu é que isso nunca foi efetivado, o que caracteriza uma injustiça com os detentores de direitos autorais”, disse Sá Leitão. Além de entidades profissionais ligadas a atores, atrizes e autores de obras audiovisuais, o ministério vai habilitar organizações vinculadas a diretores e roteiristas do segmento.

Sá Leitão explicou que na primeira etapa será feita uma análise jurídica das entidades a serem habilitadas, seguida de uma consulta pública com duração de 30 dias, finalizando com a apresentação de documentos e outras exigências formais do processo.

Dimensão autoral
Ao anunciar o início do processo de habilitação, o ministro da Cultura estava acompanhado das atrizes Glória Pires e Carolina Ferraz, que representam a Interartes, entidade que representa atores e atrizes, reúne cerca de mil profissionais e que está pleiteando o seu reconhecimento como entidade habilitada a recolher direitos autorais para os integrantes da categoria.

“Tudo que a gente faz, no audiovisual, tem os nossos rostos. Quantas pessoas passaram uma vida inteira sem poder receber esses direitos?”, disse Glória Pires, presidente do conselho da Interartes. Segundo ela, a entidade aguarda há 12 anos, desde a sua fundação, para efetivar o recolhimento dos direitos autorais do segmento.

Para Carolina Ferraz, as diferenças de interpretação de atores e atrizes em cada obra também confere uma dimensão autoral para este trabalho artístico. “É o reconhecimento do intérprete como autor de uma obra”.

Apenas em 2017, foram recolhidos mais de R$ 1,2 bilhão em direitos autorais de autores e intérpretes de obras musicais, distribuídos entre 254 mil agentes do setor. Sá Leitão diz que não é possível fazer projeções sobre o quanto o setor audiovisual poderá recolher, mas que trará impactos positivos para o desenvolvimento da economia criativa brasileira, que responde atualmente por 2,64% do Produto Interno Bruto (PIB – soma de todos os bens e serviços produzidos no país). Ele disse ainda que o ministério poderá atuar como mediador entre as entidades arrecadadoras e as que deverão pagar os direitos, de forma que isso não “atrapalhe” o desenvolvimento do setor.

Pirataria
O anúncio da habilitação de entidades do setor audiovisual ocorre um dia depois da publicação do decreto que modifica a estrutura do Ministério da Cultura, instituindo a Secretaria de Direitos Autorais e Propriedade Intelectual. A pasta terá o papel de atuar como órgão regulador e fiscalizador na política de proteção dos direitos autorais e terá uma coordenação específica para o desenvolvimento de políticas e ações articuladas de combate à pirataria e ao tráfico de bens culturais.

O ministro da Cultura pediu “um esforço conjunto do governo com a iniciativa privada” para desenvolver iniciativas de combate à pirataria. Segundo Sá Leitão, um grupo de trabalho criado no Conselho Superior do Cinema está encarregado de propor, até o fim do ano, uma política nacional de combate à pirataria no setor audiovisual. O governo vem acompanhando o debate de, pelo menos, cinco projetos de lei em tramitação no Congresso Nacional que tipificam, no Código Penal, novos crimes associados à pirataria. Com Agência Brasil

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm