Banner Águas de Pará de Minas   Prefeitura de Pará de Minas

Estudantes do RJ fazem visita virtual a maior laboratório de partículas do mundo

Fernando Frazão/Agência Brasil

Pesquisadores e estudantes no Rio de Janeiro tiveram nesta quinta (22) uma amostra virtual, em tempo real, do funcionamento do projeto Atlas, que fica no maior laboratório de partículas do mundo, o Centro Europeu de Pesquisas Nucleares (Cern, na sigla em francês), localizado entre a França e a Suíça.

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

O Atlas é um experimento de detecção de partículas que começou a operar em 2006 e teve importante papel na descoberta do bóson de Higgs, considerada a partícula fundamental à existência de vida e que pode ajudar a descobrir a origem do Universo.

A visita virtual foi promovida pelo Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa em Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (Coppe/UFRJ). O pesquisador e ex-aluno do instituto Denis Damásio, que trabalha no Cern desde 2005, mostrou detalhes da sala de controle, onde são armazenados os dados das experiências, e monitorado e verificado o bom funcionamento dos sistemas de detecção de partículas.

Colaborador do projeto há 17 anos, Damásio ressaltou que a ciência conseguiu desvendar apenas 5% da matéria e que o projeto é importante para ajudar a responder a algumas de uma infinidade de perguntas sobre a composição do universo.

“É um desafio todo o dia. Uma das coisas que estão muito bem estabelecidas é a questão do Big Bang [explosão que marca o início do Universo], e a física de partículas ajuda muito a explicar certos momentos de expansão. Mas o Big Bang é uma singularidade dentro da física, não sabemos o que gerou, da onde veio, porque aconteceu.”

O pesquisador destacou que, por se tratar de um trabalho que exige tempo e paciência, os resultados cotidianos são imperceptíveis para a maioria da população, mas podem levar a descobertas revolucionárias. Além de tempo e paciência, o projeto demanda uma equipe enorme, segundo Damásio. “Somos 3 mil cientistas, de 39 países. É uma comunidade muita rica e bastante dinâmica, de diferentes origens e religiões.”

O professor da Coppe José Manoel Seixas, um dos pesquisadores da equipe brasileira no Atlas, disse que ideia é promover a visita virtual ao laboratório pelo menos uma vez por ano. Há cerca de dois anos, a visita é oferecida a estudantes de escolas do ensino médio tecnológico, por meio do apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj). Segundo ele, a iniciativa ajuda a complementar a formação pedagógica dos estudantes. “Os currículos do ensino médio ainda não são atualizados de modo a contemplar a moderna física de partículas. E alguns currículos acadêmicos não incorporaram o estudo das partículas subatômicas.”

Projeto Atlas
O Atlas serve ao LHC (Large Hadron Collider), o colisor de partículas que ocupa um túnel de 27 quilômetros de extensão, na fronteira entre a Suíça e a França. O uso combinado desses equipamentos conseguiu detectar e provar a existência do bóson de Higgs.

O Brasil colabora com o projeto desde 1988, e atualmente mais de 50 pesquisadores trabalham na iniciativa em laboratórios nacionais e no Cern. O Coppe é responsável por 90% dos sistemas de engenharia de software que dão apoio à coordenação técnica do Atlas. Com Agência Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm