Banner Águas de Pará de Minas   Banner Facebook

Kassab defende financiamento público para campanhas eleitorais

O ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, defendeu nesta terça (22) o financiamento público de campanhas eleitorais, com uma fiscalização rigorosa. Segundo o ministro, o financiamento privado não é saudável para o país, no momento, porque não funcionou no Brasil nos últimos anos.

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

“A população precisa estar informada sobre o que estava acontecendo com o financiamento privado. Nós precisamos ter eleições, precisamos ter a democracia no país, eleger representantes nos municípios, estados, União. Democracia tem custo, seja capital privado ou público, e o privado mostrou que foi muito mais caro do que o público”, disse após reunião na Set Expo – Congresso e Feira de Produtos e Serviços.

O financiamento público está sendo discutido no Congresso Nacional como uma forma de financiar as campanhas eleitorais desde a proibição do Supremo Tribunal Federal (STF) da doação eleitoral por empresas. A criação do Fundo Especial de Financiamento da Democracia (FFD) é uma das propostas que compõem a reforma política e está sendo discutida pela comissão especial que analisa a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 77/03, que trata de mudanças no sistema político-eleitoral. De acordo com a proposta, o valor do fundo será de 0,5% da receita corrente líquida do governo em 12 meses, o que corresponderá a cerca de R$ 3,6 bilhões em 2018.

Kassab manifestou-se favorável à adoção do modelo distrital misto para 2020 ou mais tardar 2022. “É justo, é saudável, e o voto representará as regiões e também as ideias dos partidos, fazendo uma saudável miscigenação de interesses políticos que estarão representados no Congresso Nacional. Integro a corrente daqueles que entendem, se for necessário, fazer uma concessão para ter a maioria para que possa efetivamente acontecer essa mudança para o distrital misto. Até a semana passada, o Congresso caminhava para eventualmente aprovar o distritão apenas para o ano que vem, já em uma fase de transição”, disse o ministro.

A sugestão pode ser incluída na proposta de mudança no sistema político-eleitoral brasileiro, em análise no plenário da Câmara. Pelo sistema distrital misto, o eleitor vota duas vezes, uma no candidato do distrito e outra em uma lista pré-ordenada pelo partido. O resultado sai do cálculo entre os resultados da votação majoritária no distrito e na escolha proporcional no partido.

Já o modelo em discussão, o chamado distritão, permite que os candidatos mais votados ganhem as eleições. Por este sistema, cada estado vira um distrito, no qual as vagas disponíveis nas câmaras e assembleias legislativas são preenchidas pelos candidatos mais votados, sem considerar a proporcionalidade do total de votos recebidos pelos partidos e coligações, assim como ocorre com a escolha de prefeitos, governadores e presidente da República. Com Agência Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm