Banner Águas de Pará de Minas   Prefeitura de Pará de Minas

Políticos de várias legendas lamentam a morte de Waldir Pires

Elza Fiuza/Agência Brasil

Políticos de diferentes partidos lamentaram nesta sexta (22) a morte do ex-governador da Bahia e ex-ministro da Previdência e Assistência Social (1985-1986), do Controle e da Transparência (2003-2006), atual Ministério da Transparência e Controladoria-Geral da União) e da Defesa (2006-2007), Waldir Pires. Internado no Hospital da Bahia na noite de ontem (21), com um quadro de pneumonia, Pires teve uma parada cardiorrespiratória e faleceu por volta das 10h desta sexta-feira, aos 91 anos.

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

No Twitter, o presidente Michel Temer lembrou que Pires foi o primeiro governador da Bahia eleito após a redemocratização. Na época, Pires estava filiado ao PMDB, mesmo partido de Temer. “Os baianos, e os brasileiros, perdem um símbolo da política feita com ética e paixão pelo país”, escreveu o presidente.

Neto do falecido Antônio Carlos Magalhães, que foi desafeto político de Pires, o prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), lamentou a morte. Em sua conta pessoal no Twitter, o prefeito escreveu que o ex-governador e ex-ministro é um personagem político de relevância, que escreveu seu nome na história.

“Estivemos em lados opostos, mas Waldir Pires nos deixa o exemplo de homem público que exerceu com serenidade o seu papel na política”, ressaltou o prefeito, expressando sentimentos aos parente s e amigos do ex-governador.

Correligionário de Pires, o governador da Bahia, Rui Costa (PT), também lamentou o falecimento do político baiano. “A Bahia e o Brasil não perdem apenas um político. Waldir Pires era um exemplo de caráter e retidão, na vida pública e na vida privada. Dedicou boa parte de seus 91 anos de vida à defesa da cidadania e à construção de um Brasil melhor. Esse legado serve de herança e inspiração”, escreveu o petista.

A ex-presidente Dilma Rousseff também usou as redes sociais para comentar que a notícia da morte de Pires lhe causou “muita tristeza”. “O Brasil perde um de seus mais valorosos e combativos filhos, um homem comprometido com a democracia e com o povo brasileiro”, destacou a ex-presidente, acrescentando que este é um “dia triste para todos aqueles que lutamos e sonhamos com um Brasil mais justo”.

Companheiro de Pires nos primeiros anos do governo Luiz Inácio Lula da SIlva, quando respondeu pela Secretaria de Coordenação Política e Relações Institucionais, da Presidência da República, o ex-ministro Aldo Rebelo (Solidariedade) classificou o político baiano como “um homem honrado”.

Em nota, o Ministério da Transparência e Controladoria-Geral da União (CGU) informou que os servidores receberam com imenso pesar a notícia do falecimento do primeiro ministro a chefiar o órgão em sua atual configuração. Segundo o texto, o ex-ministro ficou conhecido pela “ampla estruturação” promovida no órgão.

“Foi responsável por coordenar a atuação das estruturas de detecção e punição na CGU, em 2003, [quando] o s mecanismos de prevenção da corrupção ganharam maior dimensão. Durante a gestão do ex-ministro, a CGU implementou importantes políticas de controle da administração pública, bem como de prevenção e combate à corrupção, com destaque para o programa de fiscalização de estados e municípios a partir de sorteios públicos”, lembra a nota do órgão, destacando que foi Pires quem assinou, em 2003, no México, a adesão brasileira à Convenção das Unidas Contra a Corrupção, incluindo a presença brasileira nos fóruns internacionais sobre o tema.

Biografia
Waldir Pires nasceu em Acajutiba (BA), em outubro de 1926. Formado em direito, ingressou na política após militar no movimento estudantil e em campanhas em defesa da Petrobras. Foi deputado estadual, federal e governador da Bahia. Chefiou os ministérios da Previdência e Assistência Social, durante o governo Sarney, e do Controle e da Transparência e da Defesa na gestão de Lula. Também foi governador da Bahia.

Com a renúncia do então presidente da República Jânio Quadros, em 1961, Pires passou a apoiar a posse do vice-presidente eleito, João Goulart, que era rejeitado pelos ministros militares. Com o golpe civil-militar de 1964 e a consequente deposição de Goulart , Pires teve seus direitos políticos suspensos. Buscou exílio no Uruguai e , depois, na França. Só retornou ao Brasil em 1970.

Nomeado para coordenar as Forças Armadas (Exército, Marinha e Aeronáutica), aos 79 anos de idade, Pires acabou tendo que enfrentar a grave crise que se instalou no setor aéreo após os dois mais graves acidentes da história da aviação civil brasileira: o choque entre um jato executivo e um avião da empresa Gol, que deixou um saldo de 154 mortos, e o acidente de uma aeronave da TAM, no Aeroporto de Congonhas, em São Paulo. Com Agência Brasil

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm