Banner Águas de Pará de Minas   Prefeitura de Pará de Minas

Profissionais de educação física condenam PL que exige posto médico em academias

Em audiência pública na Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviços Câmara dos Deputados, profissionais de educação física e representantes de academias de ginástica e prática esportiva pediram nesta quinta (22) que seja rejeitado o Projeto de Lei 4667/16, que determina que todos os estabelecimentos para prática de exercícios físicos tenham posto médico habilitado para fazer ressuscitação cardiopulmonar e atender casos de urgência.

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

Segundo a justificativa do autor do projeto, deputado Francisco Floriano (DEM-RJ), a medida “é crucial para a sobrevivência de vítimas de parada cardiorrespiratória”. O autor cita casos publicados na imprensa de mortes súbitas ocorridas em academias e argumenta que o atendimento rápido, sob fiscalização da vigilância sanitária, pode evitar os óbitos.

O presidente da Associação Brasileira de Academias (Acad), Gustavo Borges, fez um apelo aos parlamentares para que a proposta não seja aprovada. O atleta argumentou que leis com essa atrapalham o setor, que ao ser obrigado a instalar uma estrutura médica em suas unidades, pode gerar o aumento dos custos, promover o desemprego e reduzir o acesso de pessoas à atividade física.

Segundo a Acad, no Brasil funcionam cerca de 34 mil academias, o que coloca o país em segundo lugar no mundo em número de estabelecimentos dessa natureza. Borges afirmou ainda que o Brasil não tem médicos suficientes para atender a demanda e a medida poderia agravar a situação da saúde no país. ”Quanto mais saudável é a população, menos vamos gastar com remédios e seguros de saúde”, disse.

Para Mônica Marques, diretora técnica da rede de academias Companhia Atlética, a justificativa do projeto não se sustenta, uma vez que não existe no Brasil estatísticas sólidas que comprovem ocorrência significativa de mortes súbitas dentro dos estabelecimentos. A profissional de educação física argumentou que a principal causa de mortes é o sedentarismo, que provoca diversas doenças crônicas, como diabetes, obesidade e hipertensão, e não a prática de atividade física nas academias.

Segundo Marta, os estudos nacionais existentes mostram que quase 60% da população ativa brasileira se exercita ao ar livre e a real incidência de morte súbita no esporte é desconhecida no país. No mundo, estatísticas apontam que a cada 100 mil habitantes, morrem 30 pessoas de forma súbita. Se a pessoa pratica atividade física, a incidência cai para 2,1 mortes a cada 100 mil habitantes. “Para indivíduos saudáveis que se exercitam, principalmente sob orientação de profissional, o risco de morte é muito mais baixo”, disse.

Marta também apresentou uma pesquisa de um grupo de cardiologistas da Universidade de São Paulo (USP), segundo a qual mais de 80% das mortes súbitas ocorridas em São Paulo, em um período de cinco anos, se deu em domicílio ou em salas de emergência. Apenas 6% teriam ocorrido durante a prática esportiva.

O professor Luiz Carnevali, mestre e doutor em Ciências pela USP, também avaliou que a implantação de postos médicos nas academias é inviável e desnecessária. “Entendemos que esta implantação é desproporcional, porque vai representar na verdade um empecilho à disseminação da atividade física”, defendeu.

O pesquisador argumentou que os postos médicos não oferecem nenhuma saída prática para a ocorrência de morte súbita em academias. E explicou que o profissional de educação física passa por formação que o capacita a fazer o atendimento de primeiros socorros na academia. “O que leva à morte são excessos, abusos e doenças preexistentes. Os dados de sedentarismo no Brasil são elevadíssimos e o número de pessoas frequentando academias é baixíssimo”, disse Carnevali.

Para o professor, a solução para redução do número de mortes é a formulação de programas que incentivem alimentação mais saudável e a prática de atividade física. “A academia é o fator de controle pra que as ocorrências como a morte súbita não aconteçam”, acrescentou.

O projeto também foi duramente criticado por representantes de sindicatos das academias e pelo Conselho Federal de Educação Física (CFEF).

O PL ainda precisa ser votado em duas comissões temáticas da Câmara e, por fim, passar pela análise da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ). Com Agência Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm