Banner Águas de Pará de Minas   Prefeitura de Pará de Minas

Entidade estima que 30% dos gastos em saúde privada são desperdícios


A presidente da Federação Nacional de Saúde Suplementar (FenaSaúde), Solange Beatriz, estima que em torno de 30% dos gastos em saúde privada no Brasil são desperdícios. De acordo com a entidade, as despesas assistenciais dos planos médico-hospitalares subiram mais que as receitas das operadoras, com expansão dos procedimentos e um número menor de consumidores, tanto em 2016 como em 2015, uma tendência que vem ocorrendo nos últimos dez anos.

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

Solange citou como exemplo desse desperdício o crescimento da quantidade de exames complementares por pessoa, como tomografia computadorizada (21%) e ressonância magnética (25,2%) entre 2015 e 2016. “Dentre as razões para esse salto, podem estar a má formação médica e incentivos financeiros de hospitais, médicos e laboratórios que, na maioria das vezes, são remunerados por procedimentos prescritos, o modelo conhecido como ‘fee for service’ [pagamento por procedimento]”, explicou.

O diretor executivo da FenaSaúde, José Cechin, concordou que os desperdícios existem e são importantes. Nos Estados Unidos, por exemplo, a perda mínima de desperdícios seria 20%, o que corresponderia a US$ 600 bilhões, em 2016. Se esse percentual prevalecesse no Brasil, o desperdício de 20% em uma despesa total de cerca de R$ 140 bilhões significaria R$ 28 bilhões. “É um volume expressivo”.

Cechin informou que na saúde suplementar se fazem no Brasil entre 150 e 160 procedimentos de ressonância magnética e tomografia computadorizada para cada mil pessoas, enquanto nos países ricos da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), a média são 60 exames desse tipo por mil pessoas.

Para o diretor da federação, a pergunta que deve ser feita é se “nós estamos fazendo o número necessário desses exames ou se estamos simplesmente fazendo com que os tomógrafos instalados sejam utilizados intensamente”.

A saúde suplementar tem hoje cerca de 70 milhões de beneficiários, sendo 47,3 milhões de assistência médica e 22,5 milhões de planos exclusivamente odontológicos.

Federação Nacional dos Médicos
O diretor da Federação Nacional dos Médicos (Fenam), Jorge Darze, qualificou de leviana a opinião da presidente da FenaSaúde. “Não tem parâmetro científico que possa documentar”. Darze reconheceu que a questão do ensino médico é um problema vigente no Brasil. “Ninguém discute”. A Fenam já se posicionou por diversas vezes contrária à abertura de novas escolas no país sem critérios que possam assegurar a qualidade desses novos profissionais médicos.

A entidade manifestou, por outro lado, que estabelecer conceito que os médicos estão levando alguma vantagem em procedimentos que não são necessários é uma atitude absolutamente “irresponsável, leviana e que não tem nenhuma base documental que possa justificar isso”. Darze disse que é complicado generalizar “porque, se existem maus profissionais na categoria médica, de forma geral, a grande maioria é séria e responsável”. Com Agência Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm