Banner Águas de Pará de Minas   Banner Fapam

Milhares de venezuelanos chegam à Colômbia após abertura da fronteira


Alguns buscavam alimentos e medicamentos. Outros queriam visitar familiares para as festas de Natal e Ano-Novo. Milhares de venezuelanos cruzaram na terça-feira (20) as passagens fronteiriças para pedestres com a Colômbia, reabertas após oito dias por causa de um colapso monetário. A informação é da AFP.

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

“Graças a Deus, a fronteira foi reaberta. Vinha muita gente fazer suas compras do outro lado, porque não conseguimos comida, fraldas para nossas crianças, medicamentos”, disse Christian Sánchez, locutor de 29 anos, enquanto atravessava a ponte internacional Simón Bolívar, que liga as cidades de San Antonio (Venezuela) e Cúcuta (Colômbia).

Em uma conversa por telefone, na segunda-feira (19) à noite, os presidentes venezuelano, Nicolás Maduro, e colombiano, Juan Manuel Santos, concordaram em “abrir a fronteira de maneira progressiva, com rígida vigilância e segurança”, informou o ministro venezuelano de Comunicação e Informação, Ernesto Villegas.

Assim, os cruzamentos limítrofes se restabeleceram desde as 6h locais desta terça-feira (8h em Brasília), sob vigilância dos militares. O transporte de carga, entretanto, permanece interrompido.

Maduro determinou o fechamento das fronteiras com a Colômbia e com o Brasil no dia 12 de dezembro, alegando que “máfias” estariam acumulando o papel-moeda venezuelano no exterior para atacar a economia do país, golpeada por uma inflação de 475%, segundo o Fundo Monetário Internacional – a mais alta do mundo – e uma aguda escassez de alimentos básicos e medicamentos.

A medida coincidiu com momentos de grande incerteza por violentos protestos e saques em várias cidades, que deixaram pelo menos três mortos e aproximadamente 300 detidos, sobretudo no estado Bolívar (Sul), onde cerca de 600 estabelecimentos comerciais sofreram danos.

Os distúrbios eclodiram na sexta (16) e no sábado após a decisão do governo de recolher das ruas a nota de 100 bolívares (0,15 dólar no câmbio oficial mais alto), o de maior valor e circulação, até a entrada gradual de novas unidades monetárias.

Maduro atribuiu os atrasos na entrega dessas unidades monetárias a um “complô” comandado pelos Estados Unidos. O venezuelano classificou de “bem-sucedida” a operação contra as “máfias” e prorrogou a vigência da nota de 100 e o fechamento das fronteiras com a Colômbia e o Brasil, até o dia 2 de janeiro.

Filas
Longas filas de pessoas – muitas após dormir na rua – se formaram nos dias de fechamento da alfândega de San Antonio. “Queremos passar!”, gritavam na esperança de receber uma autorização especial para passar por razões médicas e familiares, mas ela era dada a conta-gotas. “Vamos passar o Natal com nossos filhos. Não vamos comprar nada e estamos cansados”, queixou-se Carmen, aborrecida por ter que “fazer e desfazer” as malas com os recorrentes fechamentos das passagens limítrofes.

A fronteira de 2.200 quilômetros entre a Venezuela e a Colômbia esteve fechada entre agosto de 2015 e agosto de 2016 por ordem de Maduro, após um ataque armado de supostos paramilitares colombianos contra uma patrulha militar venezuelana.

Segundo alertam sindicatos, 75% do comércio do lado venezuelano da área devem fechar. Tradicionalmente, San Antonio e Cúcuta mantêm intenso intercâmbio comercial.

Normalização da fronteira
Para Marta Cárdenas, colombiana de 51 anos que vive na Venezuela, a reabertura das passagens de pedestres representa “um respiro” aos problemas diários, agravados nos últimos dias pela falta de efetivo entre longas filas em agências de bancos públicos e privados.

Com o retorno temporário das notas de 100, a situação se normalizou desde a tarde de segunda-feira. O mesmo ocorre na fronteira com a Colômbia, embora os governos não tenham informado como será feita a abertura total.

Villegas ressaltou que Maduro e Santos “instruíram seus ministros da Defesa (Vladimir Padrino e Luis Carlos Villegas) a coordenar ações imediatas para a normalização da fronteira”, uma vez que foram mantidos contatos entre seus bancos centrais para enfrentar o que a Venezuela denomina “ataques” à sua moeda Com Agência Brasil/Agência France Press

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm