Banner Águas de Pará de Minas   Prefeitura de Pará de Minas

886 mil dólares são presos em operação contra crimes no Galeão

Divulgação/PF

A Polícia Federal apreendeu na terça (19) 886 mil dólares em três dos 36 endereços em que foram cumpridos mandados de busca e apreensão dentro da Operação Rush. A quantia representa R$ 2,912 milhões e foi encontrada durante a ação que apura crimes cometidos por funcionários de empresas que atuam no Aeroporto Internacional Antônio Carlos Jobim/Galeão, no Rio de Janeiro.

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

A operação foi deflagrada pela Delegacia Especial de Polícia Federal no aeroporto e cumpriu 29 mandados de prisão preventiva. A maior parte dos dólares – 807 mil – foi encontrada em apenas um endereço dos investigados. Outra residência tinha 74 mil dólares, e a terceira, 5 mil.

Segundo a Polícia Federal, havia três organizações criminosas que praticavam crimes no aeroporto. Um grupo utilizava a identidade de passageiros de voos domésticos para enviar malas com cocaína para o exterior. Um segundo desviava da fiscalização bagagens que chegavam ao aeroporto, e um terceiro grupo roubava bebidas alcoólicas de aeronaves que pousavam no Galeão.

Também foram encontrados nas casas dos suspeitos veículos de luxo e blindados. A maior parte das prisões foi no Rio de Janeiro, mas também foram detidos criminosos em São Paulo, São Vicente e Angra dos Reis. Ao menos um servidor da Receita Federal está entre os detidos.

Emitidos 36 mandados de prisão temporária
Ao todo, foram emitidos 36 mandados de prisão temporária e um de condução coercitiva, contra uma pessoa que oferecia sua conta bancária para um dos membros da organização criminosa. Nessa conta corrente foram encontrados R$ 300 mil.

A maior parte dos envolvidos era de funcionários de empresas que atuavam no Galeão, como as companhias aéreas Avianca, TAP e KLM. O tráfico internacional de drogas enviava os entorpecentes para os aeroportos de Amsterdã, na Holanda, e Lisboa, em Portugal. O delegado da Policia Federal Wagner Menezes, que participou da investigação, vê fortes indícios de esquemas semelhantes nesses aeroportos.

“Ficou evidente que o esquema também era operado nos aeroportos de destino. Uma vez tiveram que interromper a remessa porque os funcionários do aeroporto de destino estavam de férias”, disse.

A concessionária que administra o aeroporto, a Rio Galeão, emitiu nota em que afirma apoiar as ações da Polícia Federal e de outros órgãos para coibir atos ilícitos. Segundo a empresa, mais de 15 mil funcionários de 650 empresas trabalham no aeroporto. De acordo com a PF, nenhum dos presos era empregado da concessionária. Com Agência Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm