Banner Águas de Pará de Minas   Prefeitura de Pará de Minas

Não se esqueça de viver

nesqvvMeu personagem de hoje não é jovem nem velho, deve estar na faixa dos trinta e poucos. É alto, magro, usa cabelo grande – às vezes solto, às vezes preso num rabo de cavalo, mas quase sempre desgrenhado, estilo rebelde. Na opinião das pessoas que o conhecem de vista ou de um ou outro contato mais ou menos superficial, é um tipo estranho, sério, nem bonito nem feio, reservado demais para o gosto delas e, por isso, não merecedor de sua atenção, de sua companhia, de sua conversa fiada e de suas esfuziantes manifestações de amizade – enfim, um tipo perfeito para ser ignorado e desprezado por todos.

Na empresa onde trabalha é um funcionário dedicado e cordial, mas sua relação com os colegas não é muito diferente da que mantém com a maioria das pessoas fora do ambiente de trabalho. No seu trato com eles, normalmente é frio e distante, exceto com aqueles que se apartam um pouco da manada, que de vez em quando se permitem escapar do padrão geral de comportamentos, atitudes e estratégias que, com suas regras estritas, mais parece um livro sagrado, uma bíblia das corporações, sempre com o foco na produtividade, no cumprimento das metas, no aprimoramento profissional, no sucesso – algo que, para ele, não faz muito sentido.

Ele mora sozinho num barracão de três cômodos, bem perto de um lote que comprou há dois anos com o dinheiro de um acerto. No lote ele está construindo uma casa, do jeito que ele sempre sonhou: com quintal, varanda, dois quartos, escritório e uma cozinha bem grande e arejada.

O dinheiro acabou, mas a casa já está de pé, com a laje batida e o piso pago. Ele está lá agora, apreciando a obra. Falta muito ainda para terminar, ele sabe disso, mas está satisfeito com o que conseguiu. E se não estivesse só com o dinheiro da comida e do aluguel no bolso, até sair o próximo pagamento, talvez comprasse uma garrafa de vinho francês e a tomasse ali, no escuro, sozinho, olhando as estrelas.

Por volta de dez da noite, depois de trancar com cadeado e corrente o portão de ferro que protege a construção, ele volta para o barracão e liga a televisão. Pega uma maçã na geladeira, tira os sapatos e se estica no tapete, relaxado e contente.

Dois anos depois, a casa continua inacabada, mas habitável: o piso foi assentado, o telhado construído, janelas e portas instaladas, água e eletricidade ligadas. Ele não paga mais aluguel. E a mudança veio em boa hora, pois a empresa em que trabalhava quebrou, e ele foi demitido. Para ele foi como receber uma carta de alforria, uma liberdade que ele nunca teve coragem de se dar e que agora estava ali, diante dele, abrindo-lhe um leque de possibilidades, inclusive a de fazer da sua vida o que ele realmente quer, de verdade.

Está agora sozinho na sala, rodeado de livros, ouvindo rádio e tomando café. Tem dinheiro para se manter por mais ou menos um ano sem trabalhar. É o tempo que ele precisa para separar o joio do trigo e fazer suas escolhas, colocar os prós e os contras na balança e decidir que rumo dar à sua vida. Uma coisa ele já decidiu: vai priorizar a vida (a paixão, o prazer de viver), não o que muitos chamam de vida, mas que não passa de sobrevivência: trabalhar, trabalhar, trabalhar, para ter direito a pequenos momentos de uma felicidade que, para ele, não é a felicidade verdadeira (que está dentro de nós), mas uma felicidade artificial, enlatada, que só pode ser atingida quando se tem dinheiro suficiente para comprá-la.

Para ele nós não passamos de meros joguetes, peças de um sistema movido pelo dinheiro, em que o padrão de felicidade muda na medida em que o jogo avança e ganhamos mais dinheiro: de repente eu não sou mais feliz com um carro só, tenho que ter dois, três, e ainda uma moto Harley-Davidson; não quero mais ter uma casa de três quartos e duas vagas na garagem, tem que ser um apartamento de cobertura de cinco quartos e três vagas, localizado em bairro nobre; não aceito mais que meus filhos estudem numa escola particular de classe média, tem que ser num colégio de elite tipo A, que cobra uma fortuna de mensalidade; minha filha de dez anos não está mais feliz com a perspectiva de ir para a Disney, seu sonho agora é dar uma volta ao mundo em oitenta dias… E de repente eu morro… E me esqueci de viver.

Quando eu criei esse personagem, sem saber direito o que ia acontecer com ele, eu lhe disse: “Aconteça o que acontecer, não se esqueça de viver”.  

Ele não vai se esquecer.

Agora são duas da madrugada. O rádio toca uma música antiga de João Mineiro e Marciano. Ele se sente feliz. O futuro incerto não o perturba, muito pelo contrário, traz-lhe uma paz que ele nunca sentiu antes, uma sensação de liberdade, de ser. “Que coisa boa, meu Deus!”, ele diz, e vai à cozinha pegar mais uma xícara de café.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm