Banner Águas de Pará de Minas   Prefeitura de Pará de Minas

Alimentação e transportes contribuem para deflação de 0,18%, diz IBGE

Sob forte influência dos preços dos alimentos e dos transportes, a prévia da inflação oficial do país fechou em julho negativa em 0,18%, a menor taxa para os meses de julho desde 2003 (quando havia registrado a mesma variação negativa). É também a menor inflação da série histórica desde a variação negativa de 0,44% de setembro de 1998, portanto, em quase 20 anos.

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

Os dados do Índice Nacional de Preços ao Consumidor – 15 (IPCA-15) foram divulgados nesta quinta (20), no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Segundo o IBGE, responsáveis por quase a metade das despesas do brasileiro, os grupos Alimentação e Bebidas e Transportes tiveram deflação de junho para julho de -0,55% e -0,64%, respectivamente.

Com participação de 25% nas despesas das famílias, o grupo dos alimentos exerceu “o mais intenso impacto negativo”: 0,14 ponto percentual. Já o item dos transportes, que também tem participação significativa nas despesas (18%), foi negativo em 0,11 ponto percentual em relação a junho.

Com deflação ainda maior (-0,55%), o grupo artigos de residência responde por apenas 4% de participação nas despesas das famílias e contribuiu para a queda do IPCA-15 com -0,02 ponto percentual.

Alimentos têm queda de preços
O IBGE disse que a queda nos preços dos alimentos foi ainda mais forte quando considerados os produtos comprados para consumo em casa, que ficaram 0,95% mais baratos. Houve queda em todas as regiões pesquisadas, com a retração variando dos -0,37% em Brasília até -1,61% em Curitiba.

Os preços da maioria dos produtos ficaram mais baixos de junho para julho, com destaque para a batata-inglesa (-19,07%), o tomate (-8,48%) e as frutas (-4%). Na alimentação fora de casa, a variação média foi de 0,2%, com as regiões apresentando resultados entre a queda de 0,41% na região metropolitana do Rio de Janeiro, até a alta de 1,10% em Goiânia.

O IBGE informou, ainda, que a redução de 0,64% nos transportes foi influenciada pelos preços dos combustíveis, que recuaram 3,16%. O etanol caiu 4,81%, enquanto o litro da gasolina passou a custar -2,98%.

Entre os demais grupos de produtos e serviços pesquisados, as variações mais elevadas ficaram com Despesas Pessoais (0,31%) e Habitação (0,24%). Ainda segundo o IBGE, Curitiba foi a única região metropolitana que teve em julho resultado positivo, embora o número tenha ficado praticamente estável ao variar apenas 0,01%.

Já a região metropolitana de São Paulo fechou com a menor deflação: -0,29%, influenciada pela queda de -4,22% nos preços dos combustíveis. A gasolina teve recuo de preço de 3,85% e o etanol, de -5,88%. A segunda maior queda de preços foi anotada em Salvador, com deflação de 0,25%, seguida de Porto Alegre: 0,24%. No Rio de Janeiro e em Minas Gerais, o IPCA-15 fechou negativo: 0,13%. Com Agência Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm