Banner Águas de Pará de Minas   Banner Facebook

Definidas normas para fabricação de insumos de cosméticos e produtos afins

Com o objetivo de dar mais segurança ao cidadão com produtos de maior qualidade no mercado, o Governo do Estado de Minas Gerais, por meio da Secretaria de Estado de Saúde (SES), editou a Resolução 5.618/2017, que define diretrizes para as boas práticas na fabricação de cosméticos, produtos de higiene, perfumes e saneantes.

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

A medida — que já está em vigor desde o dia 18 de fevereiro – traz maior rigor na fiscalização do uso correto de insumos, materiais, equipamentos, rotulagem e controle de qualidade, complementando legislações federais e estaduais já existentes. A medida prevê o prazo de 12 meses para que os estabelecimentos promovam as adequações necessárias.

De acordo com a coordenadora de Gerenciamento de Risco Relacionado a Cosméticos e Saneantes da Secretaria de Estado de Saúde (SES), Renata Stehling Reis, o objetivo é o controle e o monitoramento das operações envolvidas no preparo do insumo para os cosméticos, produtos de higiene e perfumes, bem como insumos para fabricação de saneantes.

A medida disciplina o recebimento dos materiais desde o almoxarifado, passando pelo processamento e embalagem, até a obtenção do produto finalizado. Com maior controle sanitário em toda a cadeia de produção serão oferecidos ao consumidor produtos de melhor qualidade.

“As empresas fabricantes dos cosméticos e afins devem analisar a qualidade do insumo que adquirem, porém, não havia oferta de insumos com qualidade padronizada”, diz Renata, explicando a necessidade da normatização.

“Existe no mercado muito produto clandestino que pode causar prejuízos diversos ao consumidor, dependendo da fórmula utilizada, bem como da baixa qualidade dos insumos. Por isso, a resolução chega para ter o acompanhamento de toda a cadeia produtiva e consequentemente evitar a produção clandestina”, completa a coordenadora da SES-MG.

A resolução atende à Lei Federal nº 8.080/1990, que dispõe sobre as condições para promoção, proteção e recuperação da saúde, organização e funcionamento dos serviços, e à Lei Estadual nº 13.317/ 1999, que dispõe sobre o Código de Saúde do Estado de Minas Gerais. A iniciativa também foi baseada na Resolução da Diretoria Colegiada – RDC 34/2015 da Anvisa, que trata das Boas Práticas de Fabricação de Excipientes Farmacêuticos.

Conforme o chefe da Divisão de Vigilância Sanitária da Funed, Kleber Baptista, os insumos utilizados na produção de cosméticos, produtos de higiene, perfumes e saneantes podem apresentar, em sua composição, elevado grau de contaminação por substâncias químicas. Eles podem causar danos à saúde do consumidor, com a presença de metais pesados, como chumbo.

“Quando fabricados em condições de higiene inadequadas, os produtos podem estar contaminados com microrganismos, que podem causar infecções ao entrar em contato com a pele do usuário, por meio dos cosméticos, produtos de higiene e perfumes”, afirma Baptisa. Ele diz ainda que o efeito poderá ser contrário e exemplifica os saneantes que deveriam ter a função de higienizar um determinado ambiente.

Na opinião de Kleber Baptista, a resolução é importante na medida em que inclui mais um elo no controle da cadeia produtiva, definindo critérios para o gerenciamento da qualidade da produção, de pessoal e das instalações envolvidas na produção dos insumos, além de responsabilizar diretamente o fabricante pela gestão da qualidade.

“Cosméticos, produtos de higiene, perfumes e saneantes fabricados com insumos de qualidade controlada, certamente irão gerar produtos com maior grau de pureza e eficácia”, assegura o chefe da Vigilância Sanitária da Funed.

Mercado crescente
Contemplado também pela resolução, o mercado da beleza e afins é um dos que mais cresce no mundo, e o Brasil sempre aparece nas primeiras colocações quando se refere ao consumo de cosméticos, perfumes e produtos de higiene pessoal, ficando atrás apenas da China e dos Estados Unidos.

A indústria nacional do setor também cresceu, seguindo uma tendência mundial, mas desacelerou nos últimos dois anos. Contudo, ainda assim é significativa para o país e, especialmente para Minas Gerais, com um faturamento superior a R$1,5 bilhão, de acordo com dados do Sindicato das Indústrias de Produtos Farmacêuticos e Químicos para Fins Industriais (Sindusfarq).

Quando se fala de insumos, a utilização de extratos naturais também tem despertado cada vez mais o interesse da indústria de cosméticos, levando em consideração a sustentabilidade econômica e social de comunidades.

Uniformização de procedimentos
A expectativa é de que os fabricantes observem os procedimentos operacionais padrão (POPs) e as práticas previstas na nova resolução para assegurar que as instalações, métodos, processos, sistemas e controles sejam adequados para garantir a qualidade dos insumos na fabricação dos produtos.

Todos estes aspectos passam a ser verificados durante a inspeção sanitária. Sem diretrizes pré-estabelecidas, cada empresa mantinha uma rotina diferenciada, o que não oferecia produtos padronizados, segundo a coordenadora de Gerenciamento de Risco Relacionado a Cosméticos e Saneantes.

A concessão e/ou renovação do alvará sanitário ficam agora condicionadas ao cumprimento dos requisitos técnicos e à inspeção da autoridade sanitária competente. “Nessa fiscalização também serão observados os ambientes internos e externos dos estabelecimentos, os produtos, as instalações, as máquinas, os equipamentos, as normas e as rotinas técnicas da indústria”, diz Renata Stehling.

Sanções previstas
Os insumos são qualquer componente adicionado intencionalmente à formulação de um produto cosmético, de higiene e perfumes e/ou saneante – portanto, os fabricantes de insumos vendem seus produtos apenas para a indústria.

Conforme a coordenadora da SES, a inobservância ao conteúdo da resolução se traduz em infração de natureza sanitária de acordo com o Código de Saúde do Estado de Minas Gerais (Lei 13.317/1999) e pode sujeitar o infrator à advertência, apreensão do produto, inutilização do produto, cancelamento do alvará sanitário e multa, sem prejuízo das responsabilidades civil, administrativa e penal cabíveis.

A legislação prevê ainda que o fabricante de insumos para a fabricação de cosméticos, produtos de higiene e perfumes e/ou de insumos para fabricação de saneantes deve garantir que o comprador esteja devidamente regularizado junto à Vigilância Sanitária. Ou seja, aquele que for adquirir os insumos tem obrigatoriamente que possuir o alvará sanitário.

O fabricante de insumo não pode vender diretamente ao consumidor. “O alvará sanitário poderá, a qualquer tempo, ser suspenso, cassado ou cancelado, no interesse da saúde pública, sendo assegurado ao proprietário do estabelecimento o direito de defesa em processo administrativo instaurado pela autoridade sanitária”, conclui a coordenadora. Com Agência Minas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm