Banner Águas de Pará de Minas   Prefeitura de Pará de Minas

Banana tem queda de preço e recupera mercado no primeiro semestre

Uma das principais frutas na mesa dos brasileiros, a banana começa a se recuperar após altas de preço no segundo semestre de 2016. A quantidade ofertada na maior parte das centrais de abastecimento (Ceasas) do país subiu em junho e os preços caíram. Os destaques foram para a Ceasa no Espírito Santo, com aumento de 54,9% na oferta, e para a Ceasa Minas, com queda de 14,31% no preço. Os números são do 7º Boletim do Programa Brasileiro de Modernização do Mercado Hortigranjeiro (Prohort), divulgado nesta terça (18) pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

Em novembro do ano passado, a banana chegou a custar quase R$ 4 por quilo nas Ceasas. Um ano antes, no segundo semestre de 2015, o preço máximo foi de de R$ 2,50. Os preços agora se recuperam e o máximo está abaixo de R$ 3. “Tivemos uma queda generalizada em todos os mercados, de 1,5% de Pernambuco até 14% em Minas Gerais. Essa queda é proveniente da grande oferta de banana prata nos mercados”, diz o gerente de Modernização do Mercado Hortigranjeiro da Companhia, Erick de Brito Farias.

A banana foi o destaque entre as frutas, justamente pela série histórica de recuperação neste primeiro semestre. A produção refletiu também em melhoras no mercado externo do produto, que vinha apresentando queda nas exportações desde o segundo semestre do ano passado. Como ficou muito cara, até mesmo no Brasil, não era vantajoso para os produtores exportarem.

Em junho deste ano, as exportações somaram 4 mil toneladas, valor 11,48% maior em relação a maio deste ano e 193% maior em relação a janeiro. Em relação a 2016, os valores ainda estão menores – em comparação com junho do ano passado, esse volume é 44,21% menor. “O mercado de banana vem se recuperando, a banana vem conseguindo atender o mercado interno e externo, com queda de preço em todos os mercados e recuperação das exportações de banana”, diz Farias.

Frutas e hortaliças
O relatório mostrou que, de maneira geral, os preços das principais hortaliças e frutas comercializadas nas Ceasas do país caíram em junho, quando comparados com o mês de maio. A boa oferta de banana prata, maçã fuji e laranja influenciou o recuo nos preços dessas frutas. Também ficaram mais baratos o morango, com queda de 29% no preço, o maracujá, de 21% e o caju e a tangerina, ambos com queda de 12%.

Já a melancia teve a oferta reduzida nos entrepostos atacadistas devido à tradicional queda de consumo no inverno, aliada ao intervalo das safras dos estados de Rio Grande do Sul, Bahia, São Paulo e Tocantins. O cenário provocou aumento de preço de até 33,58%, verificado na Grande São Paulo.

A quantidade ofertada de mamão também foi mais restrita, resultando em alta em praticamente todo o país. No Ceasa em Goiás, maior alta, o preço subiu 59,89%. Segundo Farias, isso ocorreu devido à colheita antecipada, que gerou uma grande oferta nos meses anteriores e deixou as prateleiras de mamão mais escassas no mês passado.

Entre as hortaliças, com exceção da alface – que subiu de preço na maioria das Ceasas devido às condições climáticas, chuvas e geadas no Sul –, as demais hortaliças ficaram mais baratas em junho. A batata registrou queda em todas as Ceasas por conta da entrada da safra de inverno. A cebola também teve maior oferta em boa parte dos mercados analisados, resultando em preços mais baixos. O preço da alface chegou a subir até 92,91% no Paraná.

Custos de produção
Na avaliação de Farias, alguns produtos estão com preços muito baixos, o que impacta também no bolso do produtor, que muitas vezes não consegue cobrir os custos de produção com as vendas. “Às vezes, isso vem de série histórica grande como a cenoura, que vem com preços muito baixos, oferta muito grande e preços abaixo do custo de produção”.

Em março de 2016, o preço médio do quilo de cenoura chegou a R$ 5. Em junho, o máximo era de cerca de R$ 1,50 o quilo. “Assim que os produtores verificam que os preços estão baixos, eles acabam refletindo em um período posterior com menor área de produção, uma oferta um pouco menor e os preços voltam a níveis normais”, diz Farias.

Para o segundo semestre, a expectativa da Conab é seja um período estável. “A produção do segundo semestre localizada no Sudeste, Nordeste e Centro-Oeste não é tão impactada pelo frio que acomete o Sul do país e por isso as condições de clima não prejudicam essa produção. Daí os produtos conseguem ter oferta boa no mercado e os preços continuam de certa forma mais estáveis. Altas ou baixas são normais para o período por conta da série histórica, mas não é nada que vá comprometer os níveis inflacionários e a oferta no mercado”, diz o gerente.

O levantamento é feito mensalmente pela Conab, por meio do Programa de Modernização do Programa Hortigrangeiro (Prohort), com base em informações enviadas pelos principais mercados atacadistas do país. Em junho, a análise considerou entrepostos localizados nos estados de São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Esprírito Santo, Paraná, Goiás, Distrito Federal, Pernambuco e Ceará. Com Agênia Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm