Banner Águas de Pará de Minas   Prefeitura de Pará de Minas

Polícia investiga ações de Luiz Estevão e Geddel na Papuda

Wilson Dias/Arquivo/Agência Brasil

Preso há mais de dois anos no Complexo Penitenciário da Papuda, em Brasília, o ex-senador Luiz Estevão é suspeito de ser o “manda-chuva” da ala reservada a presos vulneráveis como ex-policiais e políticos. Na operação batizada de Bastilha, realizada no domingo (17), mais de 30 agentes da polícia civil encontraram chocolate, tesoura e cinco mini pen drives na cela que Estevão divide com o ex-ministro petista José Dirceu.

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

Além do fato de serem apenas dois por cela enquanto a média é de sete detentos dividindo o mesmo espaço, outros indícios reforçam as suspeitas dos agentes que também encontraram um caderno de Dirceu com uma anotação para “pedir autorização” a Estevão para receber a visita de um menor de idade fora do horário programado.

“Ele passa o recado de que Luiz Estevão tem influência dentro do presídio para conseguir esse tipo de visitação e outras regalias”, disse o delegado Thiago Boeing, da Divisão de Repressão às Facções Criminosas, da Polícia Civil.

Outra evidência sobre o poder de Estevão no local foi o grande volume de documentos do ex-senador encontrados na biblioteca de uso comum dos presos. “Mais parecia um escritório particular dele”, disse Boeing. Luiz Estevão foi condenado a 26 anos de prisão por desvios de recursos do Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo.

Geddel
Os agentes também vistoriaram a cela em que está preso o ex-ministro Geddel Vieira Lima, e outros nove detentos. Segundo os policiais, no local foram encontrados documentos de Geddel que ainda serão analisados. “Vamos ver se há pertinência com as investigações”, disse o delegado.

A ação foi realizada na tarde de ontem durante o jogo de estreia da Seleção Brasileira na Copa do Mundo. “A gente avaliou que era o momento mais propício para flagrar privilégios”, explicou o delegado.

As investigações começaram em janeiro para apurar denúncias de que presos estariam ameaçando delegados e juízes. Os policiais descartaram essas ameaças, mas encontraram os indícios de privilégios no bloco 5 do Centro de Detenção Provisória. Os mandados de busca e apreensão foram expedidos pela Vara de São Sebastião em abril mas, a estratégia que manteve toda a ação em sigilo foi a de cumprir os mandados apenas agora.

As defesas de Geddel e Estevão não se pronunciaram. Com Agência Brasil

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm