Banner Águas de Pará de Minas   Prefeitura de Pará de Minas

Luíza Boê lança clipe de “Lua Nova” e mostra o lado noturno de seu primeiro disco


A mistura de densidade e leveza marcam o disco de estreia da cantora e compositora Luíza Boê. A mineira-capixaba radicada no Rio apresenta o lado mais denso do disco no clipe de “Lua Nova”, dirigido por Marccela Moreno. O segundo vídeo do disco sucede “Cocoon”, de atmosfera solar, que foi gravado pela mesma diretora. Os dois clipes tão opostos se complementam, e trazem uma sensação de totalidade do disco e da artista: “sou a Luíza Boê da leveza solar de ‘Cocoon’ e também da densidade lunar de ‘Lua Nova”, revela.

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

“A escolha de ‘Lua Nova’ como segundo clipe veio da vontade de trazer um outro lado do disco, que tem dia e noite, sol e lua, luz e sombra. As filmagens na água, as fases da lua no meu rosto, as projeções e as cores do clipe criaram um universo bem diferente de ‘Cocoon’. Acho interessante surpreender as pessoas com uma aparente descontinuidade, mas existe uma linearidade, uma complementação. E é o que traz uma sensação de inteireza do meu disco e minha como artista e compositora”, explica a cantora.

A faixa “Lua Nova”, que conta com baixo de Hugo Noguchi, guitarra de Gabriel Ventura e bateria de Miguel Travassos, está presente no disco homônimo, lançado em março, e já disponível nas principais plataformas de streaming. Além da direção de Marccela Moreno, o clipe traz produção assinada por Jessica Menezes; fotografia aquática por Ana Catarina Teles, da Ferradura Produções; e direção de fotografia de Arthur Dalla, que ainda montou e finalizou o vídeo ao lado de Marccela. Um grande time para dar forma à ideia da canção, segundo conta a diretora:

“Ao contrário da atmosfera extrovertida de ‘Cocoon’, a canção ‘Lua Nova trouxe novos desafios estéticos e narrativos. É uma música pra dentro, introspectiva, com uma energia lunar mesmo. As sensações que a música veiculava eram de percurso, como se dissesse ‘vai!’, um estado transitório e mutante. Para isso, construímos uma narrativa que se passa muito mais dentro da Luíza: a água, símbolo do inconsciente, do fluxo, da transformação. As projeções no quarto escuro emulam este estado submerso e num plano externo, as cenas da noite, do trânsito, que exprimem esse deslocamento, essa busca”, explica Marccela Moreno.

Essa complementaridade pode ser sentida por todo o disco de Luíza Boê, produzido por Hugo Noguchi (Ventre, SLVDR, Posada e o Clã). O registro é um passeio sonoro por 10 canções autorais, transitando pela MPB de diversas eras e pelo indie, mostrando a habilidade da compositora de unir densidade e leveza em suas músicas e letras; de transitar entre o tradicional e o contemporâneo.

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm