Banner Águas de Pará de Minas   Banner Facebook

Fim do imposto sindical obrigatório terá resistências, diz relator da reforma

O relator da proposta da reforma trabalhista na Câmara dos Deputados, Rogério Marinho (PSDB-RN), disse nesta segunda (17) que o fim da contribuição sindical obrigatória deve ser o ponto do projeto que mais vai enfrentar enfrentar resistência.

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

Atualmente, o valor, equivalente a um dia de salário, é descontado obrigatoriamente dos vencimentos dos trabalhadores e repassado às entidades sindicais. “As críticas que tenho lido e ouvido na imprensa têm se referido à obrigatoriedade do imposto sindical. Estamos tratando de uma série de outros itens”, disse, antes de participar de encontros com representantes de organizações patronais.

Para Marinho, a mudança não deve enfraquecer os sindicatos, que serão fundamentais para o funcionamento de outros mecanismos da reforma, incluindo a previsão de que os acordos coletivos devem ter tanto valor quanto as normas legais.

“Para fortalecer o movimento sindical, aqueles que têm representatividade fazem os acordos, e as convenções coletivas defendem os interesses dos trabalhadores e dos empresários. Certamente serão financiados pelos associados. Aqueles que não tem essa condição, vão perecer”, afirmou.

Na opinião do deputado, a mudança será o início de uma reforma no sistema de representação organizada dos trabalhadores. “É o início de uma reforma sindical que, certamente, acontecerá mais adiante, inclusive com a retirada de outra excrescência, que é a unicidade sindical, que gera toda sorte de distorção”, disse, em referência a previsão legal de haver apenas um sindicato por categoria.

Delações
Marinho ressaltou que a reforma deverá ser votada mesmo em situação política adversa, causada pela divulgação das delações de ex-executivos da Odebrecht, o que levou à abertura de 76 inquéritos contra deputados, senadores, ministros e outras lideranças políticas.

“Estamos vivendo o pior crise econômica que o Brasil já passou nos últimos anos. Então, não é possível ficarmos inertes, na situação que nos encontramos. O Parlamento fará a sua parte”.

A expectativa do deputado é que seja aprovado um pedido de urgência na Câmara, que permita que o texto seja apreciado ainda nesta semana, na comissão especial que cuida do tema, e chegar ao plenário da Câmara na próxima semana. Com Agência Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm