Banner Águas de Pará de Minas   Banner Facebook

Impacto de entidades filantrópicas sobre Previdência é pequeno, afirma advogado


O advogado e contador Ricardo Monello, editor e colunista da revista Filantropia, disse na quinta (16) que a imunidade tributária concedida a esse setor impacta em apenas 3% a receita da Previdência Social. Para Monello, a desoneração concedida à filantropia “é muito pequena perto do que é devolvido à sociedade”. O advogado falou sobre o assunto na comissão especial da Câmara dos Deputados criada para analisar a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 287/2016, que trata da reforma da Previdência.

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

Monello afirmou que o papel das instituições filantrópicas está previsto na Constituição de 1988. De acordo com o advogado, a renúncia tributária conta do texto constitucional porque tais organizações estão presentes em lugares onde o próprio Estado não está. “Caso percam suas imunidades, serão centenas de escolas, centros sociais, que correrão risco, e milhares de pessoas perderão o atendimento digno e humanitário. Pode-se levar a uma calamidade social total”, argumentou o advogado.

A PEC 287 não trata das entidades filantrópicas, prevendo apenas o fim da desoneração previdenciária sobre as exportações. Entretanto, o relator da proposta do governo na Câmara, Arthur Maia (PPS-BA), tem declarado-se a favor também do fim das desonerações concedidas a entidades filantrópicas educacionais. Segundo o deputado, o motivo é que a educação não integra a seguridade social, rubrica com fontes próprias de financiamento abarcando saúde, assistência social e Previdência.

Nesta quinta-feira, o relator voltou a defender o ponto de vista. “Não posso deixar de colocar o dedo nessa ferida. Não sou contra a filantropia, mas a Previdência está falida e a educação não tem nada a ver com seguridade social”, afirmou. Segundo o deputado, a educação já tem orçamento próprio.

Modelo social
O economista Eduardo Fagnani, pesquisador do Centro de Estudos Sindicais e do Trabalho e professor da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), afirmou na comissão que a reforma da Previdência proposta pelo governo não é apenas um ajuste fiscal, e sim uma mudança do modelo social pactuado em 1988.

“Sem dúvida, a Constituição [de 1988, pós-redemocratização] é um dos grandes legados do PMDB para este país. É o marco do processo civilizatório brasileiro. O gasto social está relacionado às demandas da democracia”, afirmou. Ele citou como exemplo o cenário na Europa após a segunda guerra mundial para defender o incremento dos gastos sociais em tempos de crise.

“Na Europa pós-guerra, os gastos sociais cresceram de 6%, 7% do PIB [Produto Interno Bruto, soma dos bens e riquezas produzidos em um país] para 20%. Em 2010, na crise financeira internacional, mesmo com as restrições, o gasto social cresceu em todos os países”, destacou.

A comissão especial de análise da PEC 287 discute nesta quinta-feira questões como arrecadação tributária, cobrança da dívida ativa, desonerações e imunidade às entidades filantrópicas. Com Agência Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm