Banner Águas de Pará de Minas   Banner Facebook

Justiça libera Uber e aplicativos similares em Minas

Em julgamento feito nesta quarta (16), o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) considerou parcialmente ilegal uma lei aprovada no ano passado pela Câmara dos Vereadores de Belo Horizonte que estabelecia novas regras para o funcionamento de aplicativos voltados para o transporte individual de passageiros, como o Uber e o Cabify. De acordo com a decisão, os motoristas vinculados a estes serviços poderão continuar operando sem alterações. Além disso, o entendimento da Justiça mineira sobre o assunto foi uniformizado e a liberação vale para qualquer cidade do estado.

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

A Lei Municipal 10.900/2016 vigorava na capital mineira desde janeiro do ano passado, quando foi sancionada pelo então prefeito Márcio Lacerda. Segundo o texto, aplicativos voltados para o transporte remunerado de passageiros só poderiam operar se usassem mão de obra de motoristas autorizados pela Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte (BHTrans), que é vinculada à prefeitura. Na prática, a legislação determinava que os condutores do Uber e do Cabify fossem taxistas credenciados. É o que fazem outros aplicativos, como o 99Taxis e o Easy Taxi.

De acordo com a nova lei, o descumprimento dessa regra resultaria em uma multa de R$ 30 mil, valor que poderia dobrar em caso de reincidência. No entanto, a medida nunca chegou a ser implementada, uma vez que usuários conseguiram obter, na Justiça, diversas liminares impedindo a prefeitura de fiscalizar os aplicativos.

Em outubro do ano passado, em função de uma ação judicial movida por um usuário do Uber, o TJMG admitiu um Incidente de Resolução de Demandas Repetitivas (IRDR). Trata-se de uma novidade do Código do Processo Civil que entrou em vigor no início de 2016. Por meio do mecanismo, um entendimento é fixado e deve servir de parâmetro para que juízes analisem ações repetitivas sobre determinada matéria. Além de dar celeridade à Justiça, o IRDR evita sentenças contraditórias em processos sobre o mesmo assunto, uniformizando as decisões.

Decisão
A sessão de julgamento do IRDR durou toda a tarde de hoje (16) e teve a participação de advogados da BHTrans e do Uber. Também houve manifestação do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), que criticou regras impostas pela lei municipal e considerou que os aplicativos contribuem para minimizar a insuficiência dos serviços de transporte público tutelados pelo estado.

O relator do processo, desembargador Corrêa Júnior, chegou a pedir a inconstitucionalidade de toda a Lei Municipal 10.900/2016, mas seu parecer teve o apoio de dois dos oito julgadores. Ao fim, sete desembargadores avaliaram que a nova legislação é parcialmente ilegal e proibiram o poder público de considerar transporte clandestino a atividade dos motoristas não credenciados na BHTrans.

No entendimento dos magistrados, a lei estendia para o transporte individual privado de passageiros as mesmas exigência feitas ao transporte individual público de passageiros, que é operado por meio de taxis. Segundo eles, a legislação federal diferencia os dois tipos de serviço. “Tal equiparação, com a correspondente vinculação da regulamentação de ambos os serviços, além de ceifar a iniciativa privada, desestimula a livre concorrência”, citou em seu voto Corrêa Junior.

Dessa forma, Uber, Cabify e serviços similares não poderão ser obrigados a utilizar como condutores apenas taxistas credenciados no município. Também foi considerado inaplicável aos motoristas vinculados aos aplicativos o Artigo 231 do Código de Trânsito Brasileiro, que trata de penalidades para quem efetua irregularmente o transporte remunerado de pessoas.

Todo o estado
Como a decisão uniformiza o entendimento para todas as cidades mineiras, as operações do Uber estão asseguradas também em Juiz de Fora, Uberlância, Uberaba e Montes Claros. O Cabify, no momento, atua apenas em Belo Horizonte e não tem atividades em municípios do interior de Minas Gerais.

Entre os trechos da lei que foram considerados legais, está a determinação de que os operadores dos aplicativos estejam inscritos no cadastro de contribuintes municipal. Dessa forma, o Uber, o Cabify e empresas similares que operam em Belo Horizonte deverão recolher impostos para a capital mineira.

Protesto
Durante o julgamento, taxistas se reuniram na entrada do TJMG para manifestar pela aplicação da Lei Municipal 10.900/2016. Ao tomarem conhecimento da decisão, eles entoaram palavras de ordem criticando o Judiciário. “Vergonha, vergonha”, gritaram. Em seguida, o trânsito na Avenida Afonso Pena, na região centro-sul, teve uma de suas vias fechadas pelos manifestantes.

A Agência Brasil entrou em contato com o Uber, o Cabify, a BHTrans e o Sindicato dos Taxistas de Belo Horizonte (Sincavir), mas não obteve retornos. Com Agência Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm