Banner Águas de Pará de Minas   Banner Facebook

Trabalho infantil mantém círculo vicioso da pobreza, diz ministra do TST

tst
Juristas e especialistas disseram na terça (16) na Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados que o Brasil precisa erradicar o trabalho infantil se quiser chegar a um desenvolvimento econômico sustentável. Em audiência pública para debater o Dia Mundial de Combate ao Trabalho Infantil, comemorado em 12 de junho, os especialistas ressaltaram a necessidade de romper o paradigma de que o trabalho infantil é bom para as crianças.

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

“Ao contrário que diz o senso comum, o trabalho infantil mantém um círculo vicioso de pobreza em vez de beneficiar as crianças. Para que se tenha uma ideia, segundo pesquisas do Pnad [Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios], as pessoas que trabalharam com menos de 10 anos de idade têm, na vida adulta, menores o salário e piores condições de vida”, disse a ministra do Tribunal Superior do Trabalho, Kátia Arruda.

Atualmente, mais de 3,2 milhões de crianças e adolescentes trabalham de forma ilegal no Brasil. “A erradicação do trabalho infantil requer medidas urgentes porque o trabalho infantil traz consequências e prejuízos que são praticamente invisíveis, que não são detectadas na infância, mas aparecem mais tarde”, reforçou a secretaria-executiva do Fórum Nacional de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil, Isa Maria Oliveira.

Segundo ela, seguindo o atual ritmo de erradicação do trabalho infantil, o Brasil não conseguirá atingir a meta de acabar com o problema até 2016. “O Estado precisa atuar articuladamente, os Poderes precisam atuar de forma coordenada para acabar com essa chaga”, destacou Kátia Arruda.

“O trabalho infantil agrava a exclusão social e o preconceito. No trabalho infantil doméstico, por exemplo, 65% é composto por meninas e negras. Já de cara a questão da exclusão social atuando”, disse a ministra do TST. Outra questão, segundo ela, esta relacionada com a defasagem escolar. Para a ministra, a criança e o adolescente que trabalham, por cansaço, ou abandonam a escola ou sofrem com o baixo grau de aprendizado.

“É imprescindível combater a naturalidade da descriminalização. Temos que romper com a banalidade da exploração, principalmente em relação às crianças”, acrescentou Kátia Arruda.

De acordo com o ministro do Tribunal Superior do Trabalho (TST), Lélio Bentes, é preciso diferenciar a aprendizagem da exploração da mão de obra infantil. Pela legislação, o jovem só pode começar a trabalhar a partir dos 16 anos. A lei permite, contudo, que o jovem ingresse aos 14 anos no mercado por meio de programas de aprendizagem.

“É preciso combater o trabalho infantil que atinge mais de 3,2 milhões crianças. Dessas 2,7 milhões têm mais de 14 anos e poderiam estar inseridos em programas de aprendizagem”, disse o ministro ao citar o exemplo do tribunal, que desenvolvem um programa para menores aprendizes.

“Nesse momento em que se discute a redução da maioridade penal, chamamos a atenção para a necessidade de discutir a melhoria da educação para os jovens. Não precisamos de mais prisões, mas de mais escolhas e melhor educação”, ressaltou Bentes. Com Agência Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm