Banner Águas de Pará de Minas   Prefeitura de Pará de Minas

Após decisão do STF ministros do STJ divergem sobre foro privilegiado

A Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ) começou na quarta (16) a analisar se restringe sua competência para julgar casos relativos a governadores, desembargadores e outras autoridades, conforme previsto na Constituição. A dicussão foi interrompida por um pedido de vista e deve ser retomada em junho.

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

Dois ministros, João Otávio de Noronha e Maria Thereza de Assis Moura, votaram que o STJ pode, por iniciativa própria, também adotar algum tipo de restrição ao foro privilegiado, assim como fez o Supremo Tribunal Federal (STF) no caso de deputados federais e senadores.

Eles divergiram do relator da questão de ordem na qual o assunto foi trazido a julgamento, o ministro Mauro Campbell, para quem somente o Supremo poderia decidir sobre o foro privilegiado no STJ, por se tratar de assunto presente na Constituição.

Campbell ressaltou que o próprio STF restringiu sua decisão somente a parlamentares, não expandindo a decisão a outras autoridades, sejam aquelas julgadas no Supremo ou em qualquer outro tribunal.“Interpretação por arrastamento, se for o caso, deve ser feita pelo próprio Supremo Tribunal Federal”, afirmou.

O ministro Noronha divergiu: “Não posso concordar com a assertiva de que esta corte não possa promover a interpretação da Constituição para determinar a sua competência”, disse. “Como Corte Superior temos que evidentemente interpretar a Constituição para definir nossa competência”, afirmou.

A ministra Maria Thereza de Assis Moura concordou com Noronha e defendeu que o Supremo “diz o que é competência originária dele”. Segundo ela, o STJ “não só pode como deve” definir os limites de sua própria competência em relação ao foro privilegiado.

Composta pelos 15 ministros mais antigos do STJ, a Corte Especial é o colegiado a quem cabe julgar ações penais contra pessoas com foro no tribunal superior, onde tramitam atualmente 200 processos do tipo, sendo 93 inquéritos e 72 ações penais.

O caso concreto que levou o tema a debate na Corte Especial diz respeito a um conselheiro do Tribunal de Contas do Distrito Federal denunciado por estelionato pelo Ministério Público Federal (MPF). O crime teria sido cometido quando ele era deputado distrital, cargo que não tem foro no STJ.

Apesar de não ter votado, o ministro Herman Benjamin, que também trouxe para julgamento uma questão de ordem sobre o assunto, indicou que deve acompanhar Noronha. “Tenho toda simpatia” pela restrição do foro, disse ele.

Pedido de vista
O julgamento foi interrompido por um pedido de vista do ministro Luis Felipe Salomão, que no último dia 7 enviou para a Justiça estadual um inquérito contra o governador da Paraíba, Ricardo Coutinho, tendo como base o novo entendimento do STF. Ele disse que diante do voto do ministro Campbell precisaria robustecer seus argumentos e trará seu voto já na próxima sessão, prevista para o dia 6 de junho.

Além dos governadores, a Constituição prevê que o STJ é o foro responsável por julgar “desembargadores dos Tribunais de Justiça dos Estados e do Distrito Federal, os membros dos Tribunais de Contas dos Estados e do Distrito Federal, os dos Tribunais Regionais Federais, dos Tribunais Regionais Eleitorais e do Trabalho, os membros dos Conselhos ou Tribunais de Contas dos Municípios e os do Ministério Público da União que oficiem perante tribunais”.

Procuradoria-Geral da República
Em parecer enviado nesta quarta-feira ao STJ, o vice-procurador-geral da República, Luciano Mariz Maia, defendeu que o julgamento do STF em nada alterou o foro de governadores e não se deve dar aplicação automática para outras autoridades aquilo que ao que se decidiu em relação aos parlamentares.

Para Maia, mesmo com a alteração relativa a deputados e senadores, “continua válida e inalterada a competência do Superior Tribunal de Justiça” para julgar governadores e outras autoridades previstas na Constituição, independentemente de quando ou em que contexto os crimes imputados tenham sido cometidos. Com Agência Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm