Banner Águas de Pará de Minas   Banner Facebook

Justiça garante a morador direito de estacionar van em condomínio

A 16ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais garantiu a um casal o direito de guardar uma van, modelo micro-ônibus, na garagem do condomínio em que reside. A decisão confirma sentença da Comarca de Uberaba.

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

Após adquirir o apartamento, os moradores não foram autorizados a manter a van na garagem porque ela ultrapassava em 9cm a altura máxima permitida na convenção do condomínio, que é de 2m.

Os donos do utilitário ajuizaram ação e conseguiram uma liminar para impedir a aplicação da regra. Eles alegaram que o veículo é uma ferramenta de trabalho, a garagem é descoberta e não há qualquer empecilho à passagem dos automóveis pelo portão de acesso do condomínio. Também argumentaram que o micro-ônibus não compromete a fachada ou a estrutura predial nem implica qualquer prejuízo ao sossego, segurança ou saúde dos demais moradores.

O condomínio alegou que o casal teve acesso às cópias da convenção e do regimento interno do condomínio quando adquiriu o imóvel e que, portanto, conhecia as regras. Afirmou que as normas foram elaboradas seguindo o projeto estrutural do condomínio e, caso fossem desrespeitadas, poderiam causar danos aos imóveis e aos moradores.

A juíza Régia Ferreira de Lima, da 3ª Vara Cível de Uberaba, ponderou que não foram apresentadas provas dos prejuízos ou incômodos que a permanência do micro-ônibus poderia causar. Ao contrário, o veículo do casal estaria sujeito a depreciação, vandalismo e até mesmo furto se ficasse fora do condomínio. “O estacionamento de veículo que supera em nove centímetros o limite máximo estabelecido pela convenção, por si só, não prejudica o uso do estacionamento coletivo por parte dos outros condôminos”, concluiu a magistrada, ao julgar procedente o pedido do casal.

O condomínio recorreu ao Tribunal, mas a apelação foi julgada improcedente. O relator, desembargador Otávio Portes, avaliou que há um conflito entre o direito de propriedade do casal e a norma coletiva (a convenção do condomínio). “No conflito entre os princípios, prevalece o de maior peso relativo. Neste caso, deve se resguardar o direito de propriedade dos autores, exercido dentro dos limites do razoável, sem impingir qualquer dano a direito de terceiros, pelo que a limitação genérica imposta na convenção de condomínio não merece prevalecer, por provocar, neste caso específico, uma limitação desproporcional ao livre exercício de seu direito subjetivo”, concluiu o magistrado.

Os desembargadores José Marcos Vieira e Aparecida Grossi votaram de acordo com o relator. Com informações da Assessoria de Comunicação Institucional TJMG

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm