Banner Águas de Pará de Minas   Banner Facebook

Mudança da meta não afeta avaliação sobre o Brasil no curto prazo, diz Moody’s

A elevação da meta de déficit fiscal deste ano de R$ 139 bilhões para R$ 159 bilhões não afeta a avaliação sobre o Brasil no curto prazo, informou nesta quarta (16) a agência de classificação de risco Moody’s. Em nota, a agência destacou que a revisão da meta fiscal não deverá impactar a nota do país nos próximos meses, mas advertiu para o risco de a dívida pública explodir nos próximos anos caso o governo não consiga avançar na aprovação de reformas estruturais.

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

“A magnitude da revisão em 2017 não afeta materialmente nosso cenário-base”, escreveu a analista sênior para ratings soberanos da Moody’s, Samar Maziad. No texto, ela destacou que o aumento do déficit primário em 2018 atrasará o controle do governo sobre a dívida pública, mas considerou que o principal perigo é a não aprovação de reformas como a da Previdência Social.

“Nossas projeções incorporavam um déficit fiscal primário de 2,4% do PIB [Produto Interno Bruto, soma das riquezas produzidas no país] em 2017, mas nossa estimativa para 2018 era de um déficit fiscal de 1,7% do PIB. Uma trajetória mais lenta de consolidação fiscal em 2018-2020 é um desdobramento negativo de crédito”, destacou a analista da Moody’s.

A mudança na meta de déficit para o próximo ano, que saltará de R$ 129 bilhões para R$ 159 bilhões, fará o resultado negativo nas contas públicas aumentar para 2,2% do PIB em 2018, de acordo com a agência. Apesar disso, a analista da Moody’s ressaltou que as perspectivas para a nota do Brasil no médio prazo serão mais afetadas pela evolução das reformas propostas do que pelas metas fiscais de curto prazo.

“Se aprovada, a reforma da Previdência reduzirá o crescimento das despesas do governo, contribuindo para a restauração da sustentabilidade fiscal e para contenção do aumento da dívida pública”, acrescentou a analista.

Ontem, a agência Standard & Poor’s (S&P) retirou a perspectiva negativa da nota de crédito do Brasil logo após o anúncio da mudança da meta. Em comunicado, a agência informou que o cenário político melhorou após a rejeição, pela Câmara dos Deputados, da denúncia contra o presidente Michel Temer e que o governo conseguiu aprovar a reforma trabalhista.

Em maio, a S&P tinha posto o Brasil em observação após a divulgação de denúncias contra Temer. Tanto a S&P como a Moody’s mantêm o Brasil duas notas abaixo do grau de investimento (garantia de que o governo brasileiro não dará calote na dívida pública). Abaixo dessa categoria, está o grau especulativo, no qual a probabilidade de deixar de pagar a dívida pública sobe à medida que a nota diminui. Quando um país dá calote, os títulos passam a ser considerados como de lixo. O mesmo vale para as empresas. Com Agência Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm