Banner Águas de Pará de Minas   Prefeitura de Pará de Minas

Conanda cobra desbloqueio de R$ 56 milhões do Fundo da Criança


O Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (Conanda) recorreu ao Ministério Público Federal (MPF) para tentar desbloquear cerca de R$ 56,7 milhões do Fundo Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (FNCA) que, segundo o presidente do colegiado, Marco Antônio Soares, estão indisponíveis.

Responsável por promover, defender e garantir os direitos de meninos e meninas com menos de 18 anos, o Conanda oficiou a procuradora federal dos Direitos do Cidadão, Debora Duprat, no último dia 3. No documento assinado por Soares, o conselho consulta a procuradora sobre a legalidade do bloqueio de recursos oriundos de doações e que, portanto, não dependem do aporte financeiro do Tesouro Nacional.

As receitas do fundo nacional são provenientes de doações de pessoas físicas e jurídicas, integralmente abatidas do imposto de renda dos doadores. Também podem vir de contribuições feitas por governos ou organismos estrangeiros e de recursos destinados pela própria União. Ao montante total também são acrescidos os resultados de aplicações financeiras, bem como valores destinados por outras fontes. Em maio, a Receita Federal divulgou que, neste ano, 62.688 contribuintes destinaram cerca de R$ 67,88 milhões para o fundo. É o maior valor já registrado desde 2013, quando o repasse começou a ser feito

Os recursos destinados ao fundo devem ser integralmente destinados à execução de políticas, ações e programas em benefício de crianças e adolescentes. Ou seja, servem, segundo o Conanda, “de complemento aos recursos orçamentários que, na forma da lei devem ser canalizados para o atendimento da população infanto-juvenil com a mais absoluta prioridade”.

À Agência Brasil, o presidente do Conanda disse acreditar que, atualizado, o valor indisponível pode chegar a R$ 60 milhões. Segundo ele, o valor seria o suficiente para o fundo financiar a construção, por governos estaduais, de pelo menos 20 unidades socioeducativas. De acordo com Soares, o projeto básico que o Conanda disponibiliza aos governos estaduais prevê um custo entre R$ 2 e R$ 3 milhões por unidade.

“Óbvio que esses recursos indisponíveis não seriam destinados a uma só ação. Eles serviriam para custear políticas de combate ao abuso e à exploração sexual de crianças e adolescentes; para a capacitação de conselheiros; a institucionalização do Sistema de Garantia de Direitos; fortalecimento do Sinase [Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo] e outras ações”, disse Soares. “Em um contexto de recursos escassos, em que temos que optar entre quais projetos desenvolver e quais deixar de lado, essa limitação restringe ainda mais a nossa capacidade de efetivar políticas públicas setoriais”, acrescentou.

Em uma nota técnica anexada ao pedido para que o MPF se pronuncie se considera legal a indisponibilidade dos recursos destinados ao fundo, o conselho detalha que o limite orçamentário para a execução do fundo caiu de R$ 16,86 milhões, em 2017, para R$ 13,32 milhões em 2018.

Procurado pela reportagem, o MPF informou que o ofício encaminhado pelo Conanda está sendo analisado pelos integrantes do Grupo de Trabalho Direitos da Criança e do Adolescente, da Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC).

Em nota, o Ministério do Planejamento reconheceu que o fundo nacional já contabiliza R$ 56,7 milhões em “superávit financeiro”, ou seja, são uma “sobra de caixa”, recursos financeiros que ainda não se encontram comprometidos com pagamentos futuros e que, segundo a Lei 4.320/64, podem ser utilizados como fonte de financiamento para a abertura de créditos orçamentários adicionais no exercício seguinte. O Planejamento garantiu não haver nenhuma inconstitucionalidade na execução orçamentária do FNCA, ainda que o presidente do Conanda afirme que, legalmente, compete a ele deliberar sobre os recursos provenientes das doações.

“Apesar do superávit financeiro estar previsto na Lei 4.320/64 como fonte de recursos para abertura de crédito adicional, com o advento da Emenda Constitucional Nº 95 [conhecida como emenda do teto dos gastos públicos, por limitá-los pelos próximos 20 anos, vinculando o aumento de despesas orçamentárias à inflação média do ano anterior], para essas solicitações, os órgãos têm que oferecer cancelamento em programações no valor igual aos das suplementações solicitadas”, explicou, em nota, o Planejamento.

A pasta ainda acrescentou que, dos R$ 20,82 milhões destinados ao fundo pelo Orçamento deste ano, R$ 13,3 milhões são para despesas discricionárias (aquelas que o governo pode ou não executar, conforme a previsão de receitas) e R$ 7,5 milhões para as despesas financeiras. Deste total, apenas R$ 500 mil estariam contingenciados. “Ressalte-se que os limites estabelecidos pelo Decreto nº 9276, definidos de forma global pelo Ministério do Planejamento, afetam as programações discricionárias do ministério [dos Direitos Humanos] como um todo, cabendo ao órgão a gestão e priorização dos recursos necessários ao pleno cumprimento das atribuições das unidades orçamentárias e dos serviços entregues à população”. O Ministério dos Direitos Humanos reiterou a posição do Ministério do Planejamento. Com Agência Brasil

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm