Banner Águas de Pará de Minas   Banner Facebook

Campus Party em Brasília é vitrine para startups

Marcelo Camargo/Agência Brasil

Mais de 50 grupos de empreendedores exibem seus modelos de negócio no espaço destinado às startups na primeira Campus Party realizada em Brasília, que acontece até domingo (18) no Centro de Convenções Ulysses Guimarães. A programação também inclui painéis e workshops voltados para o empreendedorismo, além de encontros de negócios.

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

Na expectativa de encontrar um investidor para sua inovação, o desenhista industrial Murilo Lana levou a ideia da startup PMK, que tem o objetivo de produzir impressoras 3D domésticas e periféricos em larga escala. O modelo de negócio já recebeu investimento para desenvolver o produto, mas agora precisa escalonar a produção.

“O nosso foco são escritórios de arquitetura, de engenharia, os profissionais, estudantes e, principalmente, as instituições de ensino e os espaços makers (de fazedores). Queremos pulverizar e ocupar esses lugares e instituições com as nossas máquinas”, diz.

A escalonabilidade é exatamente uma das principais características necessárias para que um modelo de negócio inovador seja considerado uma startup. Segundo o presidente da Associação de Startups e Empreendedores Digitais do Brasil (Asteps), Hugo Giallanza, o negócio precisa ser repetível sem perder a qualidade.

“Quando você baixa um aplicativo que é brasileiro, consegue baixá-lo no Japão sem perder qualidade. No caso de uma padaria, talvez perca a qualidade pela falta dessa escala. Você não vai conseguir entregar um pão fabricado aqui, com a mesma qualidade, no Japão”, explica.

Segundo Hugo, é na tecnologia que estão as ferramentas ideais que possibilitam esses modelos de negócio. Por isso, depois de estabelecidas, muitas startups acabam mudando a forma de consumo de um determinado mercado. É o caso dos aplicativos de transporte individual, ou de distribuição de alimentos orgânicos, que fazem com que muitas pessoas prefiram consumir de uma nova forma, no lugar de irem pessoalmente até uma loja ou a um ponto de táxi, por exemplo.

O empreendedor Iuri Costa também levou a sua empresa Axies, que desenvolve jogos de realidade aumentada, para participar das competições promovidas pelo Sebrae dentro da Campus Party. Com quase seis anos de mercado, Iuri já considera a sua empresa consolidada, mas acha importante o processo de troca de conhecimento e experiência.

Segundo ele, nesse mercado, é muito importante ter foco no produto e na entrega, já que a tecnologia, com baixos custos, pode proporcionar grandes negócios. Esses pontos são destacados pelo empreendedor quando faz mentoria para quem está começando no segmento. Mais do que isso, ele considera que o propósito e a equipe são definitivos para que uma startup venha a ser uma grande empresa “É necessário encontrar um propósito louvável que te faça dormir mais tarde, acordar mais cedo, pessoas que também tenham esse mesmo conceito e, sem dúvida, dinheiro, afinal, você precisa de capital”.

Ao longo dos cinco dias de Campus Party são esperados mais de 50 mil visitantes na área aberta ao público, onde estão os espaços disponibilizados para as startups. Com toda essa movimentação, a organização do encontro e parceiros como o Sebrae esperam um grande volume de negócios e investimentos em inovações. Para Hugo Giallanza esse tipo de oportunidade é excelente para que o Brasil cresça nesse mercado. “Enquanto uma empresa cresce 5%, 10% ao ano, uma startup cresce 3.000%. Trata-se de um fator determinante para que políticas públicas de estímulo a esse tipo de negócio sejam criadas. Nós vemos as startups como uma solução para o nosso país, como uma solução para crise que estamos vivemos”, conclui.

Criar cidades inteligentes ainda é desafio para o Brasil
Ferramentas utilizadas pela sociedade para a comunicação, transporte, entretenimento e diversas outras atividades cotidianas têm se transformado rapidamente e hoje, com a ampliação dos serviços oferecidos por plataformas web e aplicativos, são muito diferentes do que eram há 10 ou 15 anos.

Segundo o pesquisador do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações (CPqD) de Campinas Vinícius Garcia, por causa da influência da tecnologia, o mundo passa atualmente pela “terceira onda de transformação social”. Na primeira “onda”, houve a expansão em nível comercial das tecnologias, com o acesso gradativo a computadores, equipamentos digitais e à internet. Depois, com a chegada da tecnologia móvel (mobile), os cidadãos passaram a ter maior participação e protagonismo nas atividades tecnológicas. Agora, segundo Garcia, a internet das coisas se expande e é a vez dos objetos serem inseridos nesse contexto. Esses temas são foco de debates da primeira edição da Campus Party Brasília, que acontece até sábado (17) na capital.

De acordo com o pesquisador, a implantação da internet das coisas é fundamental para alcançar cidades inteligentes e humanas – conceito em que as localidades são digitalizadas não só pela instalação de tecnologias, mas pela integração de dados e informações em um sistema único. Esse cenário muda a percepção de paradigmas e a forma como são vistas as relações de trabalho, por exemplo. De acordo com o presidente da Rede Brasileira de Cidades Inteligentes e Humanas (CIH), André Gomyde, a mais-valia gradativamente sai de cena para dar lugar à operação por máquinas em diversos serviços, o que traz novos desafios. “Cada vez menos teremos trabalho braçal e intelectual. Começamos a viver uma Era do Conhecimento, que passa a ser o grande capital. Este será o paradigma pelo qual teremos que lutar.”

Enquanto atualmente a propriedade de dados e das tecnologias da informação se concentra nas mãos das grandes empresas, a perspectiva do desenvolvimento de cidades inteligentes busca ampliar esse tipo de informação também para a sociedade, segundo Gomyde. “Nas cidades inteligentes e humanas nós vamos conseguir ser proprietários do conhecimento”, afirma.

No Brasil, desenvolver cidades inteligentes ainda é um desafio pela falta de experiências em grande escala. De acordo com o pesquisador Vinicius Garcia, alguns problemas das cidades já têm soluções desenvolvidas, mas não se encontram. Para ele, é necessário um macroambiente de implantação dessas experiências. “Precisamos da união de evolução tecnológica, políticas públicas, maturidade de mercado e comportamento social [abertura da sociedade] compatíveis”, explica.

Políticas Públicas
Para o deputado Vitor Lippi (PSDB-SP), criador da Frente Parlamentar Mista em Apoio às Cidades Inteligentes e Humanas, a busca por soluções para as cidades por meio de tecnologias e sistemas de informação integrados precisa de políticas públicas que, no Brasil, ainda engatinham. “Estamos muito atrasados e precisamos nos adequar. Temos que conectar as pessoas, por isso precisamos pensar como ampliar a banda larga no Brasil. Hoje, só 50% dos brasileiros a têm em casa”, ponderou.

Além do aumento da conectividade para a participação social, o processo para a criação de cidades inteligentes demanda a criação de planos de ação de médio e longo prazo. O grupo de trabalho do Congresso tem o objetivo de construir agendas para arrecadar contribuições, pesquisar exemplos do mundo e fazer fóruns para o debate com a sociedade.

Segundo Lippi, um dos caminhos é um acordo com a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) para desonerar e diminuir a burocracia para implantação de sensores e equipamentos necessários para trabalho integrado dessas cidades. Hoje, segundo o deputado, o desenvolvimento está diretamente relacionado à capacidade de comunicação. “A tecnologia da informação é estruturante para o desenvolvimento social”. Outra frente de trabalho é a criação do Plano Nacional de Internet das Coisas, que visa aproveitar janelas de oportunidades atuais e futuras para colocar o Brasil como produtor dessa tecnologia.

Experiências para implementação das cidades inteligentes têm sido feitas em diversos municípios do país, segundo o diretor de Inclusão Digital do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Américo Bernardes. Segundo ele, as comunidades precisam se apropriar da tecnologia em vez de serem meras usuárias. “Elas são fundamentais nas decisões a respeito das necessidades.”

Atualmente, o programa Cidades Digitais do ministério existe em 75 cidades, onde estão à disposição aplicativos de uso gratuito como o e-SIC, para agendamento de serviços da saúde ou de compromissos das prefeituras; o i-Educar, para atividades educativas; e o Urbem, que reúne informações financeiras e tributárias do município. Com Agência Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm