Banner Águas de Pará de Minas   Banner Facebook

Baixa produtividade da indústria é entrave ao crescimento do país

industria_producao
Quando a economia brasileira deu sinais de recessão, a indústria de manufaturados já pedia socorro há mais de uma década. A contribuição do setor para o Produto Interno Bruto (PIB) encolheu nos últimos quinze anos, de 15,1% em 2000 para 9% em 2015.

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

A supervalorização do real em relação ao dólar durante o boom das commodities causou um aumento no consumo de produtos importados, desestabilizando a balança comercial. Os custos de produção, que já eram altos ficaram ainda maiores. Os produtos brasileiros perderam competitividade e os especialistas começaram a falar em desindustrialização.

Com a crise econômica e a situação internacional desfavorável, houve desvalorização significativa do real, o que deu à indústria algum espaço para respirar. Mas o cenário negativo afetou os investimentos e causou uma queda na demanda por produtos industrializados. A crise política tornou mais grave a situação, gerando incerteza sobre a capacidade das lideranças de colocar a economia nos eixos. “A indústria, já abatida, teve que se adaptar da pior forma possível: cortou gastos e demitiu funcionários”, diz Luiz Fernando Furlan, ministro de Desenvolvimento, Indústria e Comércio no governo Lula.

A taxa de desemprego atingiu 10,9% no primeiro trimestre deste ano, um aumento de 3% em relação ao mesmo período do ano passado. De acordo com o Ministério do Trabalho e Emprego, a indústria manufatureira demitiu mais de 600 mil pessoas em 2015. Em segundo ficou o setor da construção (416 mil demissões), seguido pelo setor de serviços (276 mil demissões).

Em fevereiro, a produção industrial caiu 9,8% em relação ao mesmo período do ano passado, a 23ª queda consecutiva. O diretor de Políticas e Estratégia da Confederação Nacional da Indústria (CNI), José Augusto Fernandes, diz que a maioria dos setores industriais foram afetados pela crise, com destaque para os setores de veículos, bens de capital, computadores e produtos eletrônicos. A indústria de máquinas e equipamentos, parte fundamental do setor de bens de capital, opera com apenas 65% da capacidade, o menor nível desde 1999.

Em 2015, 16,6% mais empresas foram à falência no Brasil em comparação ao ano anterior, incluindo a indústria, o comércio e o setor de serviços. Este é o maior aumento desde 2005, quando mudanças foram introduzidas na Lei de Falências. A previsão para este ano é ainda pior: pesquisadores do Serasa Experian calculam que cerca de 1,8 mil firmas fecharão as portas este ano, um aumento de 39% em relação ao ano passado.

Dados da CNI mostram que a confiança do empresariado caiu para 36,2 em abril, bem abaixo da média histórica de 54,4 pontos. Para Fernandes, enquanto não houver clareza sobre as políticas econômicas a serem adotadas pelo governo, a situação não vai melhorar.

Furlan enfatiza que problemas históricos têm atrapalhado o crescimento da economia brasileira e não são segredo para ninguém. “São questões debatidas há décadas”, diz. A redução da burocracia no ambiente de negócios e a reforma do sistema tributário estão entre as prioridades na agenda do setor produtivo, que todos os anos encaminha para o Congresso Nacional um documento com as pautas importantes para o desenvolvimento do país.

Na última edição do relatório global Doing Business, publicado pelo Banco Mundial, o Brasil aparece na posição 116 de 183 países analisados, o que significa que está entre os piores do mundo para se fazer negócios. Abrir uma empresa no Brasil requer 11 procedimentos diferentes e pode levar até três meses. De acordo com o relatório, companhias gastam em média 2.600 horas por ano – 10 horas por dia útil – preenchendo formulários, preparando papéis e pagando impostos, que podem chegar a mais de 69% dos lucros.

Outra grande barreira para a competitividade dos produtos brasileiros é a infraestrutura. “Se produz grãos em Mato Grosso, você perde de 30% a 40% do que ganharia apenas para levar a mercadoria ao porto”, diz Furlan. Mais de 60% da produção de grãos no Brasil são transportadas por caminhões e as más condições das rodovias contribuem para encarecer o frete.

Furlan observa que a desvalorização do real em relação ao dólar ajuda a reduzir o impacto dos altos custos de produção e é fundamental para garantir a recuperação da economia. “Muitas multinacionais que deixaram o Brasil estão voltando a olhar para o país como uma possível base exportadora na América Latina”, observa. Embora a exportação de produtos manufaturados ainda não tenha apresentado melhora significativa, ele acredita que uma reação da indústria deve acontecer até o fim do ano.

Furlan acrescenta que, para a economia funcionar, é importante restaurar o diálogo entre o governo e o empresariado que, segundo ele, foi perdido durante o governo de Dilma Rousseff. “Alguns instrumentos que estavam disponíveis há anos, como o Conselho Nacional de Desenvolvimento Industrial, foram deixados de lado neste período e não havia muita vontade do governo de interagir com o setor produtivo.”

Para o ex-diretor do Banco Mundial e professor adjunto da Fundação Dom Cabral, Carlos Primo Braga, a economia deve reagir positivamente assim que o país retomar a estabilidade política. Mas se o Brasil quiser alcançar um crescimento sustentado, diz ele, terá que promover as reformas adiadas há décadas. “Temos que qualificar a nossa mão de obra para as necessidades de uma economia moderna. Criar incentivos para que as indústrias possam investir em pesquisa e desenvolvimento e precisamos de um ambiente de negócios que valorize a competitividade, com menos burocracia, menos custos e melhor condições de infraestrutura.”

Criatividade para superar a crise
Em tempos de recessão e desemprego, os brasileiros perderam a confiança na economia e pararam de gastar dinheiro. Depois de anos em alta, o consumo das famílias foi atingido pela crise e caiu 4% em 2015, afetando os negócios em todo o país, de grandes indústrias a pequenos empreendimentos. A fisioterapeuta Caroline Oliveira, 37 anos, viu o número de clientes diminuir em 30% nos últimos 12 meses. “Muitos dos meus clientes desistiram dos tratamentos porque o custo de vida subiu muito”, diz.

Para conseguir pagar as contas, a fisioterapeuta decidiu diversificar: quando não está atendendo, faz caixas e outros produtos de artesanato para aniversários, casamentos e ocasiões especiais. Embora a demanda para estes produtos também seja pequena, ela conta que dá para fazer um dinheiro extra que ajuda a equilibrar o orçamento no fim do mês.

Assim como Caroline, milhares de brasileiros estão usando a criatividade para lutar contra a crise. De acordo com pesquisadores do Serasa Experian, muitas pessoas que perderam o emprego por causa da recessão estão se tornando pequenos empreendedores. Quase 2 milhões de novas empresas foram abertas no Brasil no ano passado, 5,3% a mais que em 2014. Cerca de 76% delas são constituídas por microempreendedores individuais. São profissionais como manicure, cabeleireiro, mecânico ou costureiro que formalizaram seus negócios por meio de um esquema que oferece menos burocracia e impostos reduzidos.

Há também o empreendedor que vê na crise uma oportunidade. É o caso de Marcelo Ciampolini, que não teve medo de lançar, em julho, a plataforma de empréstimos pessoais Lendico no Brasil. “Quando as pessoas estão endividadas a tendência é que busquem um empréstimo para pagá-las. A gente veio para oferecer uma alternativa melhor para essas pessoas e a demanda não para de crescer”, diz.

A plataforma oferece empréstimos online a taxas de juros que podem chegar a menos da metade das cobradas pelos bancos brasileiros. Em menos de um ano de funcionamento, a Lendico recebeu pedidos totalizando R$ 1,8 bilhão, mas aprovou apenas R$ 10 milhões em empréstimos. “Somos muito restritivos na aprovação dos pedidos”, diz Ciampolini.

O diretor da Lendico no Brasil está otimista com o futuro da companhia, que tem apresentado taxas de crescimento mensais de dois dígitos. “A ideia agora é estabilizar o negócio e a partir da metade do ano que vem começar um processo de expansão, plugando novos parceiros.” Com Agência Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm