Banner Águas de Pará de Minas   Banner Facebook

Governo não consegue acordo sobre contribuição previdenciária de terceirizadas

inss
O governo ainda não conseguiu chegar a um acordo sobre o recolhimento da contribuição previdenciária de empresas de terceirização, pendente de votação pela Câmara dos Deputados.

No texto-base do projeto que amplia a terceirização no país, aprovado na semana passada, ficou definida a contribuição para o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) de 11% sobre o faturamento para as empresas especializadas em fornecer mão de obra e de 20% sobre a folha de pagamento para as demais, como transportadoras de valores e montadoras, por exemplo.

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook     Siga o Portal GRNEWS no twitter

No entanto, o governo quer que as empresas que não são especializadas em fornecer mão de obra terceirizada passem a recolher como INSS uma fatia de 5,5% do faturamento total.

Para o relator do projeto, Arthur Maia (SD-BA), a mudança sugerida pelo governo aumentará a tributação sobre as empresas.

“Não estou convencido de que isso não represente um aumento de tributos, por isso me recusei a colocar no meu parecer”, avaliou, após reunião para fechar um acordo sobre o texto. “O governo vai tentar fazer essa mudança por meio de um destaque, que vai ser apresentado e o plenário vai decidir. Tenho dificuldade de avançar em uma alternativa que não estou certo de que não representa aumento de impostos”, destacou o relator.

Maia citou o exemplo de uma empresa transportadora – não especializada em fornecimento de mão de obra – que arrecada R$ 1 milhão e atualmente recolhe 20% sobre a folha de pagamento e paga R$ 40 mil de INSS. Se a regra mudar de acordo com o que quer o governo, passará a pagar 5,5% do faturamento, ou seja, R$ 55 mil.

No café da manhã, no Palácio do Jaburu (residência oficial do vice-presidente), Michel Temer reuniu-se com os ministros da Fazenda, Joaquim Levy, e da Secretaria de Aviação Civil, Eliseu Padilha, além dos líderes do governo na Congresso, José Guimarães (PT-CE), e do PMDB na Câmara, Leonardo Picciani (RJ). O objetivo foi tentar um acordo para a votação dos destaques, prevista para hoje.

Sem acordo, a forma de arrecadação previdenciária não será incluída na emenda aglutinativa do relator e terá que ser votada na forma de destaque.

Apesar do impasse sobre o recolhimento do INSS, Maia disse que a reunião também teve avanços, como a inclusão no texto da definição exata de empresa, como quer o PT. Com a definição, o governo quer evitar, por exemplo, que instituições beneficentes possam atuar como terceirizadoras.

Também houve acordo sobre a responsabilidade das empresas na garantia de direitos e fiscalização do cumprimento da legislação trabalhista dos funcionários terceirizados. Maia disse que concorda em incluir no texto a responsabilidade solidária, como quer o governo, e não subsidiária. Na solidária, o terceirizado pode cobrar o pagamento de direitos trabalhistas tanto da empresa que terceiriza quanto da contratante dos serviços. Com Agência Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm